Fato 1:

O vetusto Foreign Policy publica um elogio desmesurado ao chanceler Celso Amorim.   Sequer vou entrar no mérito de saber se esse elogio é merecido ou não, por enquanto.

Fato 2:

Reinaldo Azevedo se rasga de despeito:

AMORIM, O MAIOR MENOR DESDE O TRATADO DE TORDESILHAS

quinta-feira, 8 de outubro de 2009 | 6:23

“Ah, você viu o que diz o site da Foreign Policy? Celso Amorim é chamado de o ‘maior ministro das Relações Exteriores do mundo’. E agora? O que você vai dizer?”

Petralha adora um reconhecimento “internacional”, não é? Antigamente, “deu no New York Times” era uma forma de as esquerdas fazerem pouco da imprensa imperialista…

É mesmo?  Que provinciano.  Bom, ele finaliza com fecho de ouro:

Quanto à turba… Eu estou me lixando para o que a Foreign Policy diz de Amorim. O New York Times não conseguiu me convencer das qualidades excepcionais de Obama… E acho que estou mais certo a cada dia.

“Você viu o que disse a Foreing Policy???” Ah, tenham piedade! Diante de qualquer publicação estrangeira, petralha parece capiau usando calça nova em dia de quermesse.” [grifo meu]

Hummmm…sei.  Vejamos:

Fato 3:

Entretanto, há menos de um mês, Tio Rei escreveu o seguinte:

EDITORIAL DO WSJ RESPONSABILIZA EUA POR IMPASSE E DEFENDE QUE ZELAYA SE ENTREGUE

quarta-feira, 23 de setembro de 2009 | 18:26

Nem tudo está perdido. Editorial do Wall Street Journal põe as coisas no seu devido lugar. Segue o texto original em azul. O jornal diz o óbvio: dado o quadro, a única solução, que evita a violência, é Zelaya se entregar às autoridades do seu país, para que seja julgado. Vocês verão que o jornal, de fato, atribui aos EUA a responsabilidade pelo impasse. E está certo. Um texto como este do WSJ é quase impossível na grande imprensa brasileira. É que somos muito plurais, entendem?” [grifo meu]

Pois é.  Como é mesmo?  “Diante de qualquer publicação estrangeira, blogueiros anaeróbicos parecem capiaus usando calça nova em dia de quermesse“.

Segue-se a matéria do WSJ, traduzida pelo Tio Rei que na pressa nem percebeu ter escrito o seguinte:

Zelaya e seus seguidores estão agitados. Tomaram a embaixada brasileira e portam coquetéis Molotov. E de lá conclamam: restituição ou morte. Micheletti anunciou o toque de recolher, mas os seguidores de Zelaya resistiram. E Honduras está num impasse.”

Tomaram a embaixada brasileira?  Mas tudo não foi feito com a conivência sinistra de Celso Amorim??

***

Para Tio Rei, o problema não é lamber botas, mas sim lamber as botas certas.   No caso, lamber as botas do jornal que defendeu as maluquices da banca até o último minuto antes da crise deve ter algum appeal.

Tio Rei às vezes me lembra aquela velha piada sobre Churchill que termina assim: “Que você é uma prostituta já concordamos, agora só estamos discutindo o preço“.