Outra matéria boa no Valor, de Paola de Moura, sobre o mercado de livros:

Preço do livro cai e disputa pelas prateleiras no varejo aumenta

A disputa pelos corredores das grandes livrarias está mais acirrada depois que o preço médio dos livros caiu de R$ 8,58, em 2004, para R$ 8, em 2008, e o número de lançamento de livros cresceu 15,91% de 2007 para o ano passado, batendo a marca de 50 mil exemplares. “O mercado funciona com os ‘best sellers’ e precisa muito das grandes redes de livrarias”, diz César González, diretor-geral da Planeta.

A competição se dá de forma similar a que se vê em supermercados. As editoras escolhem os títulos em que apostam e produzem uma campanha de marketing voltada para os pontos de venda. “Hoje a compra de livro se dá muito por impulso”, diz González. A principal estratégia da editora espanhola, no mercado brasileiro há seis anos, é a publicação de livros “fortes”, como ele chama os mais vendidos. Nas últimas duas semanas, a editora esteve com seis livros na lista, entre eles “1808”, de Laurentino Gomes há mais de um ano entre os mais e “Encontre Deus na Cabana”, de Randal Rauser.

González conta também que estar na lista dos mais vendidos no Brasil é mais importante do que em países como Estados Unidos ou da Europa. “Aqui, os livros de grande sucesso ficam na lista entre um e dois anos. Nos Estados Unidos, a rotatividade é maior”. As listas ajudam a vender.

Quem sai ganhando com a batalha são as grandes livrarias. Quando um livro é editado e publicado, ele sai da editora com um preço de capa. Então é negociado com a livraria. Para estar nas posições de maior destaque de uma grande rede, a editora dá descontos de 35% até 50% no preço de capa. A rede de lojas pode ter, então, uma margem alta na venda e, por isso, dá maior exibição ao produto, para faturar mais. Quando o livro encalha, as livrarias, em geral, não ficam com os produtos em suas prateleiras ou em seus estoques. Todos são devolvidos para as editoras.

Com um lançamento grande, como o de um Harry Porter ou de um Dan Brown, os custos são quase todos da editora. Cada display de propaganda que sustenta os livros custa de R$ 300 a R$ 700. No entanto, peças exclusivas produzidas para um grande lançamento podem chegar a R$ 1.000 cada. E quem banca é a editora.”

***

Taí, eu já comprei muito livro por impulso.

***

E pra piorar ainda tem a história do preço único.