Eu francamente não sei porque ainda perco tempo lendo essas coisas mas…vá lá.

Fui no blog da Nariz Gelado ver as novidades da Vejosfera, e me deparo com um post onde ela avalia a candidatura de Marina Silva, comparando-a à de Lula:

É claro que Marina Silva tem menos chances em 2010 do que Lula tinha em 1989. Mas é inegável que boa parte do articulismo nacional já se deslumbrou com a hipótese de sua candidatura. E quando o articulismo nacional se deslumbra com algo, podem apostar que vem muita água sob aquela pedra que – mais dia, menos dia – acaba furando.

Foi assim com Lula.

Deslumbrada com a hipótese de um “presidente-operário”, a quase totalidade da imprensa nacional aderiu à causa sem se perguntar sobre a real ética por trás do discurso petista ou do quanto o tributarismo do partido aos métodos totalitários esquerdistas e o sindicalismo viciado do próprio Lula poderiam ser danosos para uma democracia recém conquistada. Nada disso. Fruto do esforço militante – mas também, em boa parte, do encantamento da imprensa nacional com a possibilidade de um operário ocupar a presidência -, passados treze anos desde sua primeira candidatura, Lula subiu a rampa do Palácio do Planalto.” [grifo meu]

Eu me pergunto se Nariz e eu vivemos no mesmo país.  Ou planeta.  Ou Universo.  Ou sei lá qual o nome da categoria existencial achincalhada por tamanha derrisão.

Mas o mais legal é este trecho de um comentário a este post, onde o comentarista dá sua opinião sobre o Bolsa-Família.  Eu sei, eu sei que logo virão os trolls dizer que eu estou “tirando a frase do contexto” e tals, mas a idéia é essa mesmo _ desafio meus 4,5 leitores a imaginar qualquer “contexto” que conseguisse tornar essa frase moralmente palatável:

Infelizmente, não há homens de vergonha para que delas possam morrer, porém não faltam aqueles que se viciem nessa imoralidade. Essa escória, da qual infelizmente é formada a imensa maioria da população pobre do nosso país, garantirá a permanência no poder aos ladrões que hoje nos roubam para “distribuir” aos pobre.”