macumbabra

Ê-ê, zimifio

Do Correio Braziliense, matéria de Gisela Cabral:

Pesquisa da UnB utiliza sensitivos para diagnosticar doenças em pacientes do HUB

O método também ajuda no estudo da mente humana

Ciganas que dizem ser capazes de enxergar o futuro, médiuns que afirmam ter o poder da cura, cartas de tarô, bolas de cristal, adivinhações… Desde que o mundo existe, fenômenos paranormais ou sobrenaturais sempre estiveram em evidência não só na ficção, mas também na vida real, embora a ciência nunca tenha dado crédito a alguns deles. Por isso, hoje pouco se sabe sobre o assunto, até porque uma grande quantidade de pessoas se valem de qualidades inexistentes e aproveitam a credulidade e ingenuidade alheia para adquirir riqueza e fama. São os famosos charlatões.

O que você vai conhecer agora, porém, não faz parte de um filme de ficção ou livro de estórias sobre o desconhecido. Pelo contrário, trata-se de ciência mesmo — o caminho mais correto para se comprovar ou contestar uma tese, por mais absurda que ela possa parecer, na opinião de especialistas. A exemplo disso, uma pesquisa está sendo desenvolvida pelo Núcleo de Estudos Paranormais da Universidade de Brasília (Nefp/UnB). No intuito de estudar a mente humana e suas potencialidades, os pesquisadores passaram a acompanhar, desde o início deste ano, as hipóteses diagnósticas feitas por sensitivos a pacientes voluntários do Hospital Universitário de Brasília (HUB). Até o momento, já foram relatados pelo menos 60 prontuários.(…)” [grifo meu]

***

Bom, eu não sabia que a UnB tinha um Núcleo de Estudos Paranormais (aliás, acho que jamais entenderei porque a Ufologia é comumente integrada ao portfólio dos estudos paranormais.  Ufologia, para mim, ou é coisa para o Ministério da Saúde ou para o Ministério da Defesa, nunca para o Ministério da Educação).

Mas agora que eu sei, eu acho que ele devia estar estudando, com muito mais proveito, o Congresso Nacional:

TERÇO

Desde quarta-feira, quando o Estado revelou as gravações que ligam Sarney aos atos secretos, um apelo especial foi feito a um grupo de senhoras que se reúne todas as manhãs na gráfica do Senado para rezar o terço. Maria Perpétuo do Socorro de Araújo Cunha – frequentadora assídua da turma – pediu uma oração pelo futuro de Sarney.

Socorro foi nomeada por ato assinado pelo próprio senador em 1995. Maranhense e ex-assessora de Sarney, ela trabalha no serviço de atendimento ao usuário da gráfica.” [grifo meu]

Afinal, trata-se de um lugar onde a fé realmente opera milagres.

***

Aliás, a paranormalidade não é matéria estranha à política do Maranhão.  Reza a lenda, por sinal, que Sarney é chegado no assunto, tem amigos poderosos nessa seara e que muito atabaque bateu em São Luís para encomendar a alma de Tancredo Neves a Deus, como se diz por aí:

MACUMBA (termo referido recentemente por um blogueiro aloprado para atribuir a Jackson a autoria de um “despacho” que teria ocasionado a doença de um ministro do TSE). Ora, todo mundo sabe que Sarney por longo tempo adotou como “guia espiritual” o místico empresário do ramo de hotelaria, o folclórico Moacyr Neves. Um fato ilustrativo da relação de Sarney com o sobrenatural pode-se buscar no longínquo 11 de julho de 1973, quando o seu guru teria contribuído decisivamente para mudar a história do Maranhão, para azar dos maranhenses. Naquele fatídico dia, Moacyr Neves teria convencido o senador Sarney a desistir de embarcar no vôo 820 da Varig que o levaria a uma missão na França. A viagem seria interrompida a poucos quilômetros do Aeroporto de Orly em Paris. No desastre, que não registrou sobrevivente, perderam a vida o senador e líder do governo militar no Senado Federal, Felinto Muller, e o cantor Agostinho dos Santos. Sarney, beneficiado pela premonição do amigo, escapou fedendo. Depois da morte de Moacyr Neves, Sarney titularizou como seu guru o mega macumbeiro de Codó, Bita de Barão, a quem homenageou com o título de Comendador. O maior feito de Bita em favor de Sarney teria sido a certeira flechada desferida contra o presidente eleito, Tancredo Neves, de quem Sarney era vice, que “emburacou” sem sequer ter tido chance de assumir o cargo. Era a contribuição do novo guru para mudar a história do Brasil, para azar dos brasileiros. A senadora filha, mesmo não logrando êxito na penúltima macumba encomendada ao terreiro codoense, não perde a oportunidade de visitar o macumbeiro-mor, ocasiões em que costuma dançar e reverenciar seus orixás. Portanto, se o blogueiro maluco não sabia, macumba é especialidade dos seus patrões.” [grifo meu]

***

Então é isso: você, leitor amigo, que tem galinheiro, tranque suas galinhas pretas porque a situação está séria.

Anúncios