Dia desses passava eu por uma das vias de maior movimento do DF, já quase no horário do rush, quando dei de cara com uma cena daquelas que só acreditava possíveis na tribuna do Senado: um carro havia parado no acostamento _ não um carro qualquer, era um Peugeot 307 _ e estava com a porta do carona aberta.  Alguns metros adiante, agachado junto a uma árvore, um sujeito louro, bem vestido, de óculos escuros, aí pelos seus 30 anos, fazia o número 2 no cerradão artificial que cerca os bairros centrais da capital da República.  OK, pode ter sido uma emergência.

De qualquer maneira, deu no UOL:

Rio de Janeiro declara guerra ao xixi na rua e quer aplicar multa

Quinta-feira, 16 de julho, 10h15. Alheio ao intenso tráfego de carros na avenida Infante Dom Henrique, via conhecida como aterro do Flamengo, na zona sul do Rio, um taxista urina no meio-fio, depois de parar o carro ao lado de um canteiro. Não é o único: todo dia, dezenas de motoristas, taxistas ou não, usam aquele trecho da cidade como banheiro.

A rua Ministro Raul Fernandes, em Botafogo, é outro lugar usado pelos motoristas para urinar. “Eu parei de fazer xixi aqui há uns dois meses porque os moradores do prédio reclamaram”, conta um motorista de van de 39 anos que admite ter levado bronca da cooperativa onde trabalha. “Agora vou ao posto ou a algum bar.”

Enquanto ele conversa com o repórter, um taxista estaciona o carro, abre a porta e, sem descer, começa a urinar, a poucos metros de uma placa instalada por moradores para pedir que ninguém urine na rua.

(…)

A prefeitura planeja agora duas medidas: vai multar quem for flagrado urinando na rua e mudar o regime de contratação dos guardas municipais, para que possam aplicar multas.

Hoje os guardas são contratados como celetistas e não têm o poder de multar. A prefeitura quer transformá-los em estatutários, para que multem.

A punição também deve aumentar. Hoje, quem for flagrado urinando pode ser enquadrado na lei de limpeza urbana, que prevê multa de R$ 80 a quem sujar a cidade. A nova legislação vai prever a conduta específica –“urinar em lugar público”– e o valor da multa será maior. “Não definimos o valor, mas tem que ser algo que doa no bolso”, diz o secretário.

A prefeitura estuda até oferecer um bônus ao guarda que aplicar mais multas. Mas as mudanças ainda vão demorar meses. Enquanto isso, a prefeitura tenta pôr ordem nas ruas usando a Lei de Contravenções Penais. Quem é flagrado urinando na rua responde por importunação ofensiva ao pudor, punida com multa cujo valor varia conforme o poder aquisitivo do autor da infração.

Segundo a Secretaria da Ordem Pública, cerca de 30 pessoas, neste ano, já foram conduzidas a delegacias por urinar na rua. Os flagrantes ocorreram em duas situações: durante o Carnaval, em toda a cidade, e nos arredores do estádio do Maracanã, em dias de jogo.””

***

Estou de acordo.  É uma aplicação da “Teoria da Janela Quebrada”, eu acho, e embora eu entenda que há casos, digamos, “de emergência”, como o do nosso amigo brasiliense, e também que deveriam instalar mais banheiros públicos, é inegável que a “popularização” do ato de mijar em público contribui para o clima geral de avacalhação e esculacho do ambiente urbano.  E que já tem proporções epidêmicas na Cidade Maravilhosa, pelo que vi da última vez em que andei por lá.