Na Revista África 21, uma extensa matéria de Alfredo Prado sobre a penetração das emissoras brasileiras de televisão naquele continente.

Trechos interessantes:

TVs brasileiras à conquista das audiências africanas

Em África, os países de língua portuguesa e, em particular, Angola e Moçambique, são o cenário principal da disputa entre a Globo e a Record, beneficiando do desenvolvimento acelerado desses países.

Brasília – O Brasil já não é suficientemente grande para a disputa entre dois dos maiores grupos empresariais de comunicação da América Latina, a Globo e a Record. Nos últimos anos, a Globo, fundada pela família Roberto Marinho, e a Record, controlada por Édir Macedo, criador da Igreja Universal do Reino de Deus, atravessaram o Atlântico, instalaram-se na Europa, voaram para África e nesses novos palcos prosseguem a luta pela conquista de novas audiências.

Em África, os países de língua portuguesa e, em particular, Angola e Moçambique, são o cenário principal da disputa entre a Globo e a Record, beneficiando do desenvolvimento acelerado desses países.

(***)

Para os brasileiros, o interesse é, sobretudo, despertado pelo potencial crescimento de mercados consumidores, pela facilidade de penetração possibilitada pela língua comum e pela «simpatia» cultural dos países africanos de língua portuguesa pelo Brasil, desde a musicalidade do sotaque brasileiro do português à história de raízes comuns criadas pelo esclavagismo, mesmo que os equívocos, hoje, sejam grandes, sobretudo no Brasil.

O fim das guerras civis em Angola e em Moçambique abriu caminho à desestatização, em algumas áreas, e à abertura a investimentos privados na generalidade dos sectores produtivos e de serviços, incluindo o da comunicação.

Os novos conquistadores

É neste ambiente favorável, numa perspectiva política e económica, que a Globo e a Record decidiram avançar para África. Decisões tomadas também num quadro de conjuntura política interna favorável, criada a partir da primeira eleição, em 2000, de Luiz Inácio Lula de Silva para a presidência da República e o lançamento de uma política de aproximação ao continente africano, à procura de novos mercados e de alianças políticas para a sustentação de uma estratégia de potência internacional.

Ao longo de quase uma década, Globo e Record têm apostado forte nos países africanos lusófonos.

Em entrevista, por escrito, à África 21, o director da TV Globo Internacional, Marcelo Spínola, prefere não revelar o montante dos investimentos feitos pelo grupo em África. «É uma informação estratégica», diz. Mas, adianta, que os programas da Globo, transmitidos por TV paga, são vistos em Angola e Moçambique por mais de 200 mil pessoas.

«A história da TV Globo na África, em especial em Angola, começou quando as novelas ‘O Bem Amado’, ‘Roque Santeiro’ e ‘Rainha da Sucata’ passaram a ser exibidas no país pela TPA. Hoje, o continente é um mercado importante para a TV Globo Internacional, com destaque para Angola e Moçambique. Nestes dois países, somos assistidos por aproximadamente 200 mil assinantes», afirma.

(…)

Faltam «profissionais de qualidade»

Aparentemente, nada é muito difícil. «Não há dificuldades específicas ´deste´ou ´daquele` mercado. O nosso principal compromisso em todo o mundo é o de levar aos nossos assinantes uma programação de qualidade e com informações relevantes. Este é um dos diferenciais da TV Globo Internacional no mercado. E para que o canal possa também estar ao serviço do assinante, sempre com qualidade, realizamos uma criteriosa seleção de parceiros para a produção dos programas locais como o ‘Revista África’, responde o director da TV Globo Internacional. Já o director-presidente da Record Europa Internacional, Aroldo Martins, prefere admitir que sim, que há dificuldades, e diz: «faltam profissionais de qualidade».

Tal como a Globo, também a Record é distribuída por satélite para todos os países de África, sendo em Angola e Moçambique distribuída também por cabo. A Record não é por assinatura, faz parte de pacotes básicos nos países onde é distribuída pela DSTV e por cabo. No caso de Moçambique, além da distribuição por cabo, a Record chega a casa dos moçambicanos através da associada TV Miramar, enquanto em Cabo Verde é distribuída para todas as ilhas por emissora local, à semelhança do que acontece no Uganda, Madagáscar e na Zâmbia, neste último país em fase de montagem.

As audiências, esse campo minado das estações de televisão de todo o mundo, são a obsessão constante dos executivos. Em Angola, a liderança continua nas mãos da Globo, com cerca de 29% de share de audiência, e dois pontos de vantagem sobre a Record. Em qualquer dos casos audiências muito superiores às dos canais portugueses. Em Moçambique e em Cabo Verde, a vantagem pende para a Record, que chega através de emissora local.

(…)

Quais são os programas de maior sucesso? «As telenovelas produzidas pela TV Globo no Brasil sempre fizeram sucesso entre os assinantes angolanos», diz Marcelo Spínola e exemplifica: «os jovens angolanos são influenciados frequentemente pelas telenovelas exibidas pela TV Globo Internacional, seja na maneira de se vestir ou em expressões utilizadas por personagens das tramas».

(…)

Estratégias diferenciadas

A concorrência da Record parece não incomodar a Globo. «As emissoras atuam no mercado com modelos de negócio distintos. A TV Globo Internacional tem o posicionamento de ser um canal de TV por assinatura. (…) É desta forma que estamos presentes em 115 países dos cinco continentes e contamos com mais de 550 mil assinantes Premium», afirma Marcelo Spínola.

O presidente da Record admite a vantagem, mas destaca que «a liderança da concorrente é de apenas dois por cento, de acordo com pesquisa da Multichoice e da Marktest». Portanto, diz, «não é preciso grande estratégia. É continuar fazendo o que os angolanos já gostam. Estamos em plena ascensão».

E uma área em que a Record ainda não está mas na qual quer entrar é a das TV abertas. No caso de Angola, Aroldo Martins afirma que o objectivo é «tentar sempre, através de parceria local, uma concessão para emissão aberta».

Um negócio que parece não interessar à Globo. «O posicionamento adoptado pela TV Globo Internacional é o de ser um canal premium por assinatura, com uma programação diferenciada e qualidade técnica e artística. Este modelo de negócio torna viável ao canal estar presente nos cinco continentes com alto nível de qualidade», afirma Marcelo Spínola.

Os dois grupos são rivais, mas têm em comum a aposta na expansão internacional. Primeiro na Europa e depois em África. Outros, como a rede Bandeirantes, já olham com igual apetite para o mercado angolano. Novos episódios deverão ser anunciados em breve.”

***

Interessante que a Globo só se interesse pela TV por assinatura, mas a Record esteja contente com a TV aberta.  A razão para isso é que provavelmente a Globo não confia na receita de publicidade possível de gerar por lá e, como sua produção já está amortizada pelo mercado brasileiro, vale mais a pena entrar como canal premium gerando receita de assinatura.  Já a Record é fiel ao seu modelo de negócios, onde a receita de publicidade da TV é mais que complementada pelo “negócio” representado pela IURD. A Igreja já mantém várias unidades no continente africano, tanto em Angola, quanto em Moçambique.  E pelo menos no caso de Angola, já com direito a um cisma

***

Bem que a Globo podia fazer uma novelinha dedicada aos nossos amigos africanos, depois de ter esse trabalho todo com a Índia.

Aliás, felizmente eu não sou executivo de televisão.  “Caminho das Índias”, novela que eu achei que ia naufragar estrepitosamente, começou mal, mas recuperou-se _ e bateu em 46 no Ibope dia desses.  Jamais imaginei que a cultura indiana fosse atrair tamanho interesse no Brasil, mas subestimei os poderes da bollywoodização universal.