090524-world-optimism-02

Os mais verdinhos, contrario senso, são os menos esperançosos (clique para ampliar)

Saiu o mapa do otimismo mundial.  Nações mais otimistas:

  • Irlanda
  • Brasil
  • Dinamarca
  • Nova Zelândia

Os EUA aparecem na chickenlittlística décima posição.   Os países mais chickenlittlísticos são o Zimbabwe, o Egito, o Haiti e a Bulgária.

O estudo é fruto de uma associação entre a Universidade do Kansas e o instituto Gallup, e foi apresentado hoje no encontro anual da Association for Psychological Science em San Francisco.

Um dos resultados do estudo, que surgiu da entrevista de mais de 150.000 adultos representando mais de 95% da população mundial,  é que o otimismo é uma caracterísitca universal.   89% dos entrevistados acham que os próximos cinco anos serão melhores ou tão bons quanto a situação atual, enquanto 95% acham que sua vida será tão boa ou melhor quanto a que tiveram nos últimos cinco anos.

***

Pelo mapa dá pra sentir que o clima não é dos melhores na África, o que explica uma reportagem que saiu no Financial Times de hoje onde as Nações Unidas alertam para um tipo especial de neocolonialismo: vários governos africanos estão praticamente dando terras para empresas estrangeiras.  As estimativas do estudo (envolvendo países como a Etiópia, Gana, Mali, Madagascar e Sudão)  apontam para a cessão de algo como 2,5 milhões de hectares (metade da terra arável na Inglaterra); outras estimativas, envolvendo a África, a América Latina e a Ásia, apontam até 12 milhões de hectares (equivalente a metade da Itália).  As terras são cedidas em troca da promessa de investimentos em infra-estrutura e criação de empregos, mas a análise dos contratos revela que eles são notoriamente simples e mal-feitos, o que implica em que o país que cede as terras fica com poucos instrumentos para forçar a realização das contrapartidas.

Os maiores investidores são a Arábia Saudita e a Coréia do Sul, países interessados em garantir sua segurança alimentar.

Isso é má notícia para muita gente, mas talvez mais ainda para os ambientalistas (um dos projetos envolve a ilha de Madagascar, um santuário de biodiversidade que vem sendo rapidamente consumido) e o Brasil, que apesar do seu otimismo corre o sério risco de encontrar em breve uma grande competição no setor de commodities.  Hora de vender Brasilfoods…   🙂

Anúncios