You are currently browsing the daily archive for abril 17, 2008.

Any tendency to treat religion as a private matter must be resisted“.

_ Ratzinger, ontem nos EUA

Anúncios

Imagem que o Henry do Crooked Timber jura ter fotografado durante a visita do Papa aos EUA:

Finally, I was intrigued by this sign (apologies for blurriness of photo; the camera on my phone is garbage), which seemed to me to have dark undertones that were presumably not intended by the person who was waving it about.

O Kenneth Maxwell descreve o seu domingo em São Paulo, na Folha de hoje:

Um bom domingo

SÃO PAULO pode ser divertida.
De fato, eu recomendaria abrir mão da praia por pelo menos um final de semana e dedicar o domingo a explorar o centro vazio da cidade.
A última vez que o fiz foi em novembro. Ver os edifícios municipais de perto foi maravilhoso. Contemplar as obras de Aleijadinho em exposição no esmerado e antigo edifício do Banco do Brasil. O passeio pela mansão da marquesa de Santos. O almoço no Pátio do Colégio. Até mesmo a algo bizarra descoberta de que um osso da coxa do padre José de Anchieta está exposto no oratório que fica ao lado da entrada principal da igreja. E tudo isso sem virtualmente ninguém por perto, o que propiciava tempo suficiente para desfrutar de todas as atrações.
O domingo passado começou com uma longa caminhada pelo parque Ibirapuera, lotado de paulistanos felizes e cachorros e skatistas, ciclistas e corredores. O Exército também estava presente.
Soldados demonstravam diversos aparatos de carga que usam cordas e roldanas, imensamente populares entre as crianças. Depois, o Museu Afro-Brasileiro: que coleção extraordinária, um acúmulo quase exagerado de maravilhas.
Houve recentemente uma exposição enorme em Washington, e enormemente dispendiosa, sobre os encontros globais dos portugueses. As galerias dedicadas à Índia, à China e ao Japão eram excelentes.
Mas a seção sobre o Brasil decepcionava e se concentrava nas conhecidas pinturas dos holandeses Post e Eckhout sobre o Pernambuco do século 17 e no barroco colonial brasileiro, um período que sofre de exposição excessiva. O conteúdo de qualquer uma das seções do Museu Afro-Brasileiro do Ibirapuera teria sido infinitamente mais interessante.
Na final da tarde, um soberbo concerto na Sala São Paulo, instalada na renovada estação ferroviária Júlio Prestes: Bach, Bartók e Bottesini, e uma platéia de centenas de entusiastas da música clássica apreciando o espetáculo. Depois, da sala de concertos eruditos para as ruas: largo do Arouche e avenida Vieira de Carvalho, para um delicioso galeto desossado e chope.
Do lado de fora do restaurante, uma parada informal e bem-humorada de gays musculosos (e nem tão musculosos), travestis e lésbicas, de todas as classes, etnias e idades, caminhando de lá para cá, de modo semelhante ao que costumava caracterizar o “footing” ao longo da avenida Nossa Senhora de Copacabana no Rio de Janeiro dos anos 60, um hábito que desapareceu há muito.
Em resumo, um domingo delicioso em São Paulo.”

***

Já eu levei uma hora e meia para ir do hotel ao aeroporto, ou seja, o mesmo tempo que o avião leva para ir de São Paulo a Brasília.

Mas ok, não era domingo.

***

Só não entendi esse final apoteótico do domingo do Maxwell no Largo do Arouche.  Será que ele é simpatizante?

abril 2008
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
Add to Technorati Favorites

Blog Stats

  • 1.561.556 hits
Anúncios