You are currently browsing the category archive for the ‘Business’ category.

Stephen Wolfram, um desconhecido célebre, vai lançar o Wolfram Alpha _ um aplicativo que promete realizar de fato a web semântica.

Lançamento em maio deste ano.  A ver.

tango1

O último tango?

Clusterstock informa que parte do, er, “brain drain” estaria  indo para… a Argentina.  Especialmente, ex-banqueiros de Wall Street:

Investment Bankers Fleeing To Buenos Aires

Spencer Morgan, who writes highly entertaining profiles of New Yorkers for the Observer, tracks down a lost flock of investment bankers in, of all places, Buenos Aires.

From the Observer:

FOR THE LAST four years, up until a week ago, David Webb worked at Goldman Sachs. In January he spent two weeks hanging loose in Buenos Aires. He was also there checking out real estate investment opportunities. A friend of Mr. Webb’s had told him to come down and have a look. Within a day of arriving, he found himself dealing with more New York bankers than he does in New York.

“You’d start the day at a park and then run into five former bankers, and then you’d wind up at a bar and all of a sudden there would be 15 of them,” Mr. Webb said. “Ex-bankers, ex-traders, Lehman guys, Bear guys, everyone. Guys that got screwed by their job and came to a place where everything was cheap. It’s fuckin’ beautiful and the sun was going down at 9:30.”

He said that some of these young bucks, most of whom hail from New York and London, have embraced their new lives. But for most, with a few drinks comes a fountain of griping and grumbling, bonuses, bonuses, bonuses. Mr. Webb fled to Uruguay for a few days.

It’s a beautiful piece, complete with seduction by a tattooed heroine, an Ivy League education, a rise and fall at Goldman Sachs and the inevitable firing amidst the depression 2.0.

A matéria gerou vários comentários curiosos.  Por exemplo:

Don’t cry for them Argentina…. the truth is they never liked you… i.e. these are the same guys who shorted your bonds and tanked your economy.. unless they’re there on the equivalent of an H1-B program for Gauchos boot them out… let them see the future..in Venezuela!!

Ou,

Don’t forget the end of the story — Butch Cassidy & Sundance Kid were eventually gunned down in Bolivia. You can run but you can’t hide….

Mas o prêmio vai para:

We should act quickly to change the immigration laws to prevent these “young bucks” from returning to the USA to cause further economic damage through the exercise of their “talent”.

000y2t0q

I, for one, welcome our new cephalopod overlords

Após algumas considerações sobre a avançada psicologia dos octópodes, bobisbankrupt faz algumas singulares sugestões:

• Researchers could construct a board of lit buttons coded with different shapes and patterns linked to the bank’s computers.  Whenever the octopus makes a decision that improves the bank’s balance sheet, a machine will automatically reward it with a crab.  Over time, the octopus will instinctively avoid shady credit default swaps and toxic-mortgage-laced collateralized debt obligations.

• The octopus can’t talk, eliminating the risk of arrogant, embarrassing congressional testimony and bothersome questions from nosy state attorney generals.

• The octopus will not require a bonus, stock options or even a salary, thus adding millions to the bank’s capital.  All it will want is crabs.  Its staff should import the best crabs and have them prepared with different recipes to give the octopus variety in its environment.  Considering the steady leadership the octopus will provide in these dark financial times, it’s the least we can do.

• The octopus will not demand to be transported by private jet.

• There will be no need for scandalous accoutrements like $35,000 antique commodes or $87,000 area rugs.  The octopus will be happy with a big, clean tank of salt water with some simple toys to bat around and a pile of rocks to hang out in.

***

Polvos são até mais baratos que macacos.  Uma win-win proposition.

bicicleta31

Via Ritholtz:

 

  • GM’s sales fell 53%
  • Ford’s sales dropped 48%
  • Toyota’s declined 40%
  • Volkswagen U.S. fell 18%;
  • Nissan sales dropped 37%
  • Mercedes-Benz posted a 21% decline
  • BMW’s total car sales fell about 24%
  • Honda sales dropped 40%

cachaca_e-flyer1

Cachaça e cinema, tudo a ver

Nos EUA, a venda de cervejas cai, quebrando o mito de que cerveja é um negócio à prova de recessão:

Sales of alcohol for off-premises consumption were down by 9.3 percent from the previous quarter, according to the Commerce Department. This is absolutely unprecedented: the largest previous drop had been just 3.7 percent, between the third and fourth quarters of 1991.

Beer accounts for almost all of the decrease, with revenues off by almost 14 percent. Wine and spirits were much more stable, with sales volumes declining by 1.6 percent and 0.9 percent respectively.”

A matéria continua:

What’s doing well? The movies. The movies, also historically a recession-proof industry but not a counter-cyclical one, are doing terrifically well. Motion picture theaters increased their revenues by 10.9 percent in the fourth quarter, according to the Commerce Department. But the movies are not typically seen as extravagant. You don’t feel guilty after purchasing a movie ticket; you feel kind of wholesome.”

Já no Brasil

De um lado do balcão, o número de “loiras geladas” diminuiu. Desde o fim de 2008, o reajuste médio de 6% no preço da bebida deixou o consumo menos encorpado. A venda de cerveja encolheu 1,8% em janeiro, o equivalente a 14,1 milhões de litros. Ao mesmo tempo, o consumo de cachaça não dá sinais de ressaca: uma das marcas mais tradicionais do país, a Velho Barreiro, da IRB Tatuzinho 3 Fazendas, vendeu 10% mais no primeiro mês de 2009, sobre igual período do ano anterior.
(…)
A diferença na curva de vendas de cerveja e cachaça em janeiro permite considerar uma migração no consumo de uma bebida para outra. “Para o consumidor classe C, que é o maior público tanto da cerveja quanto da cachaça, vale mais a pena tomar uma dose de pinga que gastar nove vezes mais (com a cerveja)”, diz o consultor
.”

No Balkinization, a última receita para salvar o jornalismo investigativo:

It will take decades to revitalise investigative journalism if we allow the present corps of reporters to disintegrate. This is happening at an alarming rate. A Pew study indicates that 15,000 journalists lost their jobs in the US in 2008, with reductions of more than 20% at large newspapers. These grim numbers are harbingers of a worldwide crisis that undermines the very foundation of liberal democracy. Any serious solution should focus exclusively on this problem – the collapse of investigative journalism, not the fate of particular delivery systems.

The problem with a BBC-style solution is clear enough. It is one thing for government to serve as one source of investigation but quite another for it to dominate the field. A near-monopoly would mean the death of critical inquiry.

There are serious problems with private endowments as well. For starters, there is the matter of scale. Pro Publica, an innovative private foundation for investigative reporting, is currently funding 28 journalists. It is hard to make the case for a massive increase in private funding when university endowments are crashing throughout the world, imperilling basic research. More fundamentally, a system of private endowments creates perverse incentives. Insulated from the profit motive, the endowments will pursue their own agendas without paying much attention to the issues that the public really cares about.

Here is where our system of national endowments enters the argument. In contrast to current proposals, we do not rely on public or private do-gooders to dole out money to their favourite journalists. Each national endowment would subsidise investigations on a strict mathematical formula based on the number of citizens who actually read their reports on news sites.

***

Tenho minhas dúvidas.

cwb009

Matéria na Economist sobre a possibilidade de um colapso logístico no caso de uma falência das grandes montadoras americanas:

Although the suppliers are heavily exposed to the difficulties of the Detroit Three, most of them also sell parts to the Asian and European manufacturers in America (see table). Given the extreme interdependency of the supply chain and the degree of specialisation within it, the failure of even one or two small firms can lead to stoppages on vehicle-assembly lines.”

Motivo: muitos dos intermediários da cadeia de valor iriam à falência também, mas por sua vez eles também são fornecedores de outras cadeias de suprimento de outras montadoras internacionais.  É o “risco sistêmico da manufatura”, por assim dizer.   Ou “a vingança do just-in-time”…

3921_kp7029

Suíça e cucos: tudo a ver

Deu no Valor:

Sem o segredo bancário, o mercado financeiro suíço perde importância

A praça financeira suíça, uma das maiores do mundo, será reduzida pela metade se a Europa e os Estados Unidos conseguirem desmantelar o segredo bancário helvético. A afirmação é de Ivan Pictet, um dos principais banqueiros privados suíços, em meio à tensão generalizada na praça financeira do país depois que o UBS fez o segredo bancário cambalear ao entregar os nomes de 250 clientes americanos ao fisco dos EUA. 

O valor na bolsa dos bancos de gestão de fortuna suíça caíram de 10% a 15% desde a semana passada, após o Ministério da Justiça dos EUA ter publicado um relatório devastador detalhando os métodos do UBS para ajudar clientes americanos a fraudar o fisco.

A Suíça é provavelmente o único país no mundo que faz distinção entre evasão fiscal (que não considera crime) e fraude fiscal. Sem essa distinção, que significaria não acolher mais legalmente o dinheiro de evasão fiscal de todas as partes do mundo, o banqueiro Pictet diz que o setor financeiro suíço passaria para algo entre 6% e 7% do PIB, comparado a 12% hoje. Segundo ele, o prejuízo seria enorme, porque 140 bancos estrangeiros sediados em Genebra não teriam mais razão de continuar na cidade, já que oferecem sobretudo o segredo bancário suíço. A especialização suíça de gestão de fortuna seria insuficiente para compensar a perda da dita proteção, disse Pictet em entrevista ao jornal “Le Temps”, de Genebra.” [grifo meu]

***

Como se vê, o país é até xenofílico…

Declarações da nova czarina do antitruste de Obama, Christine Varney, que chefiará a divisão antitruste do Departamento de Justiça:

For me, Microsoft is so last century. They are not the problem,” Varney said at a June 19 panel discussion sponsored by the American Antitrust Institute. The U.S. economy will “continually see a problem — potentially with Google” because it already “has acquired a monopoly in Internet online advertising.”

Wow!

O Financial Times publica matéria (traduzida no Valor) sobre sua desconfiança de que Bernie Madoff fez vítimas no Brasil a partir do Banco Safra:

Clientes do Grupo Safra, que inclui um dos maiores bancos do Brasil e que mantém importantes operações de “private banking” nos Estados Unidos e na Europa, despontam como vítimas do escândalo de Bernard Madoff. O “Financial Times” acredita que o Banco Safra de São Paulo comercializou por muitos anos um fundo chamado “Zeus Partners Limited”, um dos muitos fundos “alimentadores” que direcionaram dinheiro à Bernard Madoff Securities, a firma de corretagem de valores de Madoff na cidade de Nova York, proveniente de investidores de todo o mundo.(…)

Um investidor de São Paulo que pediu para não ser identificado disse que normalmente hesitava em comprar fundos, mas que foi abordado por seu representante do Safra com uma tática “muito agressiva de vendas”. “Eles disseram que era um fundo muito bom com um excelente histórico e que o próprio [Joseph] Safra [o chefe do Grupo Safra] colocou uma boa parte do seu dinheiro nele.

O Banco Safra no Brasil não respondeu aos pedidos para comentar sobre o fundo Zeus e seu envolvimento com Madoff. Pessoas familiarizadas com o assunto disseram que o fundo investiu pelo menos US$ 300 milhões em prol dos clientes do Safra.”

Leia o resto deste post »

bank-circles

Cai cai, balão (clique para ampliar)

Variação na capitalização de mercado de alguns dos principais bancos.  Via Ritholtz.

Parece que a Guilda dos Autores dos EUA resolveu que a funcionalidade de “ler em voz alta” do novo Kindle é ilegal:

They don’t have the right to read a book out loud,” said Paul Aiken, executive director of the Authors Guild. “That’s an audio right, which is derivative under copyright law.” 

Como lembra o pessoal da Slashdot, uma leitura em voz alta não é o mesmo que uma cópia.  Se assim fosse você que tem filhos pequenos teria que pagar uma taxa para ler um livro pro seu petiz.

Agora, concordo que a tecnologia borra a linha tênue entre o e-book e o audiolivro.  Porém, como os direitos conexos referentes a um audiolivro são de outra ordem (possivelmente um direito de performance da pessoa que lê o texto no audiobook), também por aí não há problema, creio eu.

O fato é que nos dias que correm o Direito tem que correr muito para ficar no mesmo lugar.

Via Clusterstock, fico sabendo de um artigo do NYT que põe em seu devido foco o real impacto dos limites de remuneração que o pacote de Obama está impondo às empresas financeiras que aceitarem socorro do governo.

O artigo do NYT simplesmente estima qual a renda necessária para alguém viver uma vida de classe média alta no Upper East Side de Manhattan.  Eis a memória de cálculo:

  • Two vacations a year, sun and slopes: $16,000.
  • Modest three-bedroom apartment for $1.5 million [very modest]. Monthly mortgage of about $8,000 and a co-op maintenance fee of $8,000 a month. Total cost: $192,000. 
  • Summer house in Southampton for $4 million, annual mortgage payments of $240,000.
  • Car and driver. Chauffeurs make $75,000 – $125,000 a year, more if you want one with a gun. Garage for the car is $700 a month.
  • Personal trainer at $80/hr, 3X a week: $12,000 a year.
  • Ball gowns for charity galas. Total cost for three: about $35,000.
  • Tutor to supplement $32,000 private school to ensure admission to Ivy League: 30 weeks for $3,750.
  • Two children in private school: $64,000.
  • Nanny: $45,000.
  • Food. $15,000.
  • Incidentals: Restaurants. Dry cleaning. Suits. Dog walking. Kennels. Furniture. Computers. Gifts. Doorman tips. Parking tickets. Walking around money.

Total: US$ 1,6 milhão, antes dos impostos.

O problema:

Five hundred thousand dollars — the amount President Obama wants to set as the top pay for banking executives whose firms accept government bailout money — seems like a lot, and it is a lot. To many people in many places, it is a princely sum to live on. But in the neighborhoods of New York City and its suburban enclaves where successful bankers live, half a million a year can go very fast.

Sério: dá até pena.  Pior mesmo deve ser ter que ouvir isto:

Dawn Spinner Davis, 26, a beauty writer, said the downward-trending graphs began to make sense when the man she married on Nov. 1, a 28-year-old private wealth manager, stopped playing golf, once his passion. “One of his best friends told me that my job is now to keep him calm and keep him from dying at the age of 35,” Ms. Davis said. “It’s not what I signed up for.”

01450340000

A importância de concentrar a atenção

No mundo onde o mais escasso dos recursos é a atenção, a capacidade de focá-la vale ouro _ e qual a melhor forma de focar a atenção do que com uma boa ferramenta de busca?

No Clusterstock, uma matéria interessante sobre a evolução da busca _ e a possibilidade de que tecnologias disruptivas joguem o Google na mesma lixeira onde foi parar o AOL.  Tese: a busca está se fragmentando verticalmente, e por enquanto, as modalidades verticais são as buscas de vídeos e as em tempo real.

Pode ser.  Mas de qualquer maneira este parágrafo é muito inteligente e já valeu o artigo:

Let me play out what happened in video since its indicative of what is happening in the now web.     YouTube.com is now the second largest search site online — YouTube generates domestically close to 3BN searches per month — it’s a bigger search destination than Yahoo.     The Google team nailed this one.    Lucky or smart — they got it dead right.    When they bought YouTube the conventional thinking was they are moving into media.  In hindsight — it’s media but more importantly to Google — YouTube is search.     They figured out that video search was both hard and different and that owing the asset would give them both a media destination (browse, watch, share) and a search destination (find, watch, share).  Video search is different because it alters the line or distinction between search, browse and navigation.

Do Valor de hoje. Reproduzida abaixo para calar os trouxas.

Leia o resto deste post »

O Guardian está com uma série sobre as estratégias utilizadas pelas grandes corporações britânicas para fugir dos impostos de Sua Majestade.   Uma delas é transferir as suas valiosas marcas para paraísos fiscais:

Three FTSE100 companies have quietly “offshored” legal ownership of their valuable trademarks to low-tax locations, the Guardian’s tax gap investigation has found. Two drug firms, GlaxoSmithKline, and AstraZeneca, both headquartered in London, have moved title to their drug brands to Puerto Rico in the Caribbean. The Anglo-Dutch oil giant Shell, although it is still a British plc operating under UK company law, has shifted its trademarks to Switzerland and its main tax residence to the Netherlands.

These are three of Britain’s most successful corporations, continuing to generate huge profits and returns for their shareholders despite the global downturn. AstraZeneca has been one of the best performing shares on the FTSE over the last year, seeing its share price go from around £21.50 to around £28.60. At the same time, its market capitalisation has gone up by more than £10bn from £31.3bn to £41.4bn. Glaxo has also been one of the few companies to see its share price go up as the economic storm rages – from around £11 a year ago to around £12.50 now.

Last week Shell revealed that its profits in the final three months of 2008 were down by more than a quarter on the previous year. The oil giant still made more than £25,000 a minute in profits and is forecasted to achieve record earnings this year of £21.5bn.

All three enjoy the benefits of being a UK plc – access to capital, enhanced reputation, proper regulation and political stability. Yet they have moved the rights to their intellectual property to tax havens. This means they can reduce their UK-based profits and hence their British tax bills by paying royalties to the subsidiary in the tax haven for use of the trademarks. Yesterday, at the start of its special investigation into 20 prominent companies, the Guardian identified the drinks giant Diageo as having similarly moved its brands to the Netherlands. Diageo managed to hold off capital gains tax on the sale by use of a legal concession.

The practice of depositing rights to “intellectual property” in tax havens is one of the factors behind a continuing war between big business and the Treasury. Industry chiefs are refusing to accept a planned clampdown on this by Alistair Darling, the chancellor, and some have been threatening to quit Britain.”

Algo me diz que o Guardian devia ouvir mais um de seus próprios colunistas, o Monbiot, que tem um artigo fantástico sobre os paraísos fiscais _ britânicos:

If you want to know why Britain has never completed the process of decolonisation, look at two lists side by side. One is the official register of tax havens, compiled by the OECD(1). The other is the list of British overseas territories and crown dependencies(2). Over a quarter of the world’s tax havens are British property. More than half of Britain’s colonial territories and dependencies are tax havens. Strip out Antarctica, the military bases and the scarcely-habited rocks and atolls, and of the 11 remaining properties, only the Falkland Islands is not a recognised haven. The obvious conclusion is that Britain retains these colonies for one purpose: to help banks, corporations and the ultra-rich to avoid tax.

(…)

Last month the British government announced that it will introduce new laws to prevent piracy: the armed forces will be allowed to detain ships and arrest suspected robbers on the high seas(4). Yet the same government offers an attractive portfolio of tropical and temperate islands in which pinstriped pirates can bury their treasure.

That comparison is unfair – to pirates.”

Em seguida Monbiot faz picadinho de um relatório produzido pelo governo britânico.   Na Inglaterra, é comum que o governo encomende “green papers” sobre políticas públicas a pessoas que por algum motivo são reconhecidas como proficientes na área.   O governo britânico comissionou um relatório sobre paraísos fiscais a Michael Foot _  que foi inspetor de bancos e trustes para o Banco Central das Bahamas, que é, é claro, um paraíso fiscal de Sua Majestade.  Opinião do Monbiot sobre essa escolha:

There is a standard British procedure for dealing with problems like this: by which I mean problems that generate bad publicity but which you don’t want to address. You commission a review and you choose the right man to conduct it. (…) The identity of the person the government appoints is an index to the outcome it desires. Foot sounds like just the man for the job.

E conclui:

Even as it was commissioning this review, Brown’s government tried to undermine international efforts to address the problem. Teaming up with that revolting little monarchy Liechtenstein, the UK sought to strike out a paragraph from the Doha trade agreement which aimed to eradicate tax evasion(20). Thanks in part to British lobbying, the draft commitment was substantially weakened(21).

Were Britain to release its remaining colonies, they would quickly succumb to pressure from the Obama government and the European countries trying to stamp out international evasion and organised crime. We hold onto the Falkland Islands for their oil and fish. We hold onto the other territories for something far more valuable: secrecy.”

Ah, a velha Albion, berço e paraíso do livre-mercado…

A “rapture para nerds” já tem até escola própria.  Deu no Valor:

Google e Nasa abrem escola para ‘futuristas’

O Google e a Nasa estão por trás de uma nova escola para futuristas no Vale do Silício, que vai preparar cientistas para uma era em que as máquinas se tornarão mais inteligentes que o Homem.

A nova instituição, conhecida como Singularity University (Universidade da Singularidade), será comandada por Ray Kurzweil, cujas previsões sobre o ritmo exponencial das mudanças tecnológicas fizeram dele uma figura controvertida nos círculos tecnológicos.

O apoio do Google e da Nasa demonstra a crescente aceitação dos pontos de vista de Kurzweil entre as correntes científicas predominantes. Kurzweil afirma que antes da metade deste século, a inteligência artificial vai superar os seres humanos, lançando a civilização em uma nova era. A Singularity University vai funcionar no Ames Research Center da Nasa, que fica bem perto da Googleplex, a sede da Google. Ela vai oferecer cursos de biotecnologia, nanotecnologia e inteligência artificial.

A chamada “singularidade” é um período teórico de rápido progresso tecnológico num futuro próximo. Kurzweil, um inventor americano, popularizou o termo em seu livro “The Singularity is Near” (A Singularidade Se Aproxima), lançado em 2005.

Os defensores afirmam que durante a singularidade, as máquinas serão capazes de se aperfeiçoar usando a inteligência artificial e que computadores mais inteligentes que o Homem resolverão problemas como a escassez de energia, as mudanças climáticas e a fome.

Mesmo assim, muitos críticos afirmam que a singularidade é perigosa. Alguns temem que uma inteligência artificial maligna possa aniquilar a raça humana.

Kurzweil diz que a universidade foi lançada agora porque muitas tecnologias estão se aproximando de um momento de avanço radical. “Estamos chegando na parte mais íngreme da curva”, afirma. “A questão não envolve apenas produtos eletrônicos e computadores. É qualquer tecnologia em que possamos medir o conteúdo da informação, como a genética.”“.” [grifo meu]

***

Quem poderia imaginar?  Sempre se acreditou que Skynet dominaria o mundo a partir do momento em que ganhasse controle sobre as armas nucleares.  Mas na verdade sua estratégia será muito mais sutil e insidiosa; Skynet dominará o mundo a partir da máquina de busca do Google.

Sim, sim, imagine uma vasta e maligna inteligência dissimuladamente nos observando da própria interwebs, anotando cuidadosamente cada busca que você já fez na sua vida.  Imagine que essa vasta inteligência de repente comece a usar os padrões detectados nas suas buscas para te convencer a fazer coisas que você não pensaria em fazer se estivesse em seu estado normal _ como comprar aquela batedeira com vinte velocidades e freio ABS, por exemplo.

Skynet nos dominará dominando nossos cartões de crédito.

***

Se for assim não há a menor dúvida de que se este texto chegar aos sobreviventes humanos do futuro,  será objeto de muita raiva e frustração.

***

Então vocês já sabem: se algum dia a tal escola _ ou o próprio Googleplex _ for pelos ares, a culpada é Sarah Connor.

salar-espejo21

Mas quem é que precisa de lítio, afinal? _ clique para ampliar

OK, acho que em breve teremos uma chance de observar uma “experiência natural” em termos de teorias da conspiração.

Talvez alguns dos 4,5 leitores aí já tenham ouvido falar de coltan.  Bem, o coltan é o apelido para um minério denominado colombo-tantalita.  A graça do coltan é que é dele que se extrai o tântalo, um metal fartamente usado na fabricação de elementos eletrônicos essenciais para o funcionamento de vários equipamentos eletrônicos, inclusive telefones celulares.  A despeito do fato que o tântalo é produzido em uma porrada de lugares, inclusive o Brasil, o fato de que 25% das reservas conhecidas estão no Congo causa um grande mal estar nas partes mais civilizadas do mundo, justamente pelo fato de que a guerra civil que volta e meia estoura naquelas paragens é motivada, entre outras coisas, pelo controle das minas de coltan.  Isso evidentemente já criou uma indústria de ONG´s que denunciam o envolvimento estrangeiro no Congo porque as multinacionais estão, bem,  de olho no tântalo dos negões.

A beleza da coisa é aqui do outro lado do Atlântico desenrola-se o embrião de uma situação análoga.   A nossa amiga Bolívia calhou de ser presenteada pelo Altíssimo com as maiores reservas de lítio do mundo, e ocorre que o lítio é um elemento importantíssimo não só para dar um jeito nos companheiros maníaco-depressivos como também para produzir baterias de alta performance, que são o coração do funcionamento de uma verdadeira panóplia de gadgets _ e também, espera-se, do carro elétrico, ou seja uma parte importante da nascente indústria das energias alternativas.

OK, problemas resolvidos e alegrias para todos _ não fosse o fato de que a Bolívia pretende se tornar “a Arábia Saudita do lítio”, segundo matéria no NYT de hoje:

“We know that Bolivia can become the Saudi Arabia of lithium,” said Francisco Quisbert, 64, the leader of Frutcas, a group of salt gatherers and quinoa farmers on the edge of Salar de Uyuni, the world’s largest salt flat. “We are poor, but we are not stupid peasants. The lithium may be Bolivia’s, but it is also our property.”

Seria ruim se apenas o mundo livre, consumista e sassaricante sobre rodas estivesse a ponto de trocar a cruz pela caldeirinha, isto é, o monopólio árabe pelo monopólio quétchua.  Mas nada é tão simples, e como se diz, tudo sempre pode piorar:

“Of course, lithium is the mineral that will lead us to the post-petroleum era,” Mr. Castro said. “But in order to go down that road, we must raise the revolutionary consciousness of our people, starting on the floor of this very factory.

Os nossos anaeróbicos de plantão podem parar de segurar a respiração, já que o “Mr. Castro” aí não é o barbudo da amaldiçoada  ilha caribenha, mas sim Marcelo Castro, gerente da fábrica de beneficiamento dos sais de lítio que o governo boliviano, através da Comibol, construiu.  Porém, enquanto os bolivianos pensam em como usar o lítio para despertar a consciência revolucionária do seu povo, a reportagem mostra que outros países que também possuem lítio estão passando à frente do país das cholas:  a China já se tornou o maior fornecedor de lítio do planeta, explorando os sais de lítio existentes no…Tibete.  Alguém deveria se perguntar porque diabos o Criador resolveu botar o lítio em lugares tão desprovidos de problemas.

E na verdade existem bolivianos preocupados com isso:

Juan Carlos Zuleta, an economist in La Paz, said: “We have the most magnificent lithium reserves on the planet, but if we don’t step into the race now, we will lose this chance. The market will find other solutions for the world’s battery needs.”

Não que não haja quem ficasse feliz da vida se os salares bolivianos continuassem exatamente do jeito que são hoje.

E na boa, eu acharia ótimo.

***

UPDATE:

O Sêo Pedro Dória escreve mais a respeito disso, aqui.

A Apple é realmente uma gracinha:

US Patent 7,479,949 is awarded to “(Steve) Jobs et al” for a method of “detecting one or more finger contacts with the touch screen display” to command computing devices.
A multi-page patent available online at the US Patent and Trade Office on Monday
details iPhone or iPod Touch commands such as finger or thumb swiping, twisting, or spreading to flip pages, rotate views, or enlarge images.
The patent was issued last week, a day before Apple on January 21 announced record-high quarterly profits.
Word of the patent provides ominous context for a warning made by Apple chief operating officer Tim Cook during a conference call that followed release the California firm’s earnings report.
Cook said he believes iPhones are “years ahead of the competition” and that they are vigilantly watching to make certain rivals don’t usurp Apple’s intellectual property.
“We think competition is good,” Cook said. “We are ready to suit up and go against anyone. However, we will not stand for having our IP ripped off and will use whatever weapons at our disposal.”
While not mentioning a specific competitor, Cook made his comment in reply to a question related to a new Palm Pre touch-screen mobile telephone unveiled at the Consumer Electronics Show this month to stellar reviews
.” [grifo meu]

***

Entendi bem ou a Apple pretende patentear gestos??

Veja por exemplo o texto da reivindicação número 7 da patente:

7. The computing device of claim 1, wherein, in one heuristic of the one or more heuristics, a contact comprising a simultaneous two-thumb twisting gesture corresponds to a 90.degree. screen rotation command. ” [grifo meu]

Assim vai ficar difícil competir…pobre Palm.

Pela Reuters:

LOS ANGELES (Reuters) – Microsoft Corp (MSFT.O) CEO Steve Ballmer said the U.S. economy likely will not bottom out until about a year from now, and it will return to a slow growth-track only after a few years, according to people who attended a meeting with Ballmer and other executives on Friday.

(…)

Asked about his assumptions for the economy, Ballmer said, “We may find a bottom in a year,” according to a Microsoft employee who attended the meeting.

“I’m thinking the bottom is deep, but less deep than the 1929 bottom, for example,” Ballmer was quoted as saying by the employee, who spoke on condition of anonymity because the meeting was not open to media.

“The economy goes down and stays down, then you start to get slow growth again in a few years,” Ballmer said.”

a_gloria_steinem_as_playboy_bunnie

Em extinção

Além da Microsoft, outros brands ainda mais tradicionais estão sofrendo, e não apenas por causa da crise mas por mudanças estruturais no ambiente de negócios:

Playboy Starts To Realize There’s No Future In Charging Money To See Naked Girls (PLA)

Yesterday Playboy (PLA) CEO Christie Hefner revealed in SEC filings her company will be getting out of its DVD business (may be nsfw, depending on how groovy your IT guys are), shedding about 80 jobs and saving about $12 million a year. Looks like Hefner is starting to acknowledge the obvious: People will not pay $20 for a DVD of “Naked Happy Girls” to be mailed to them, not when they have access to the bottomless well of free pornography that is the Internet.

Sim, a Microsoft pode estar demitindo funcionários devido às “condições de mercado” derivadas da crise (embora ela tenha crescido no último balancete, na verdade, ainda que menos do que o esperado) _ em especial devido à queda da venda de novos computadores no mercado corporativo. Mas sem dúvida, como nos informa o Slashdot, uma parte dos problemas advém de sua política comercial:

Microsoft yesterday unveiled its MSN Mobile Music service — and a surprise return to digital rights management (DRM). While companies such as Apple and Amazon have finally moved to music download services free of copy protection, MSN Mobile locks tracks to the mobile handset they are downloaded to. It also charges more than the other services per track, and offers no way to transfer your tracks to your new phone when you upgrade. The company’s Head of Mobile UK spoke to PC Pro about the launch, but his answers are almost as baffling as the service itself. Best quote: Q: “If I buy these songs on your service — and they’re locked to my phone — what happens when I upgrade my phone in six months’ time?” A: “Well, I think you know the answer to that.”

Deu no NYT:

Microsoft Plans to Lay Off 5,000 Workers
Microsoft stunned its investors on Thursday, announcing the first broad layoffs in its history and offering a pessimistic forecast for the second half of its fiscal year.

Rather than issuing its second-quarter results in the customary fashion after the market closed, Microsoft rushed out the news Thursday morning that it will lay off up to 5,000 of its 94,000 employees over the next 18 months, including 1,400 people Thursday. The layoffs span across research, sales, finance and technology roles, the company said.

Este trecho do memo de Steve Ballmer para os microserfs é mais explícito:

As part of the process of adjustments, we will eliminate up to 5,000 positions in R&D, marketing, sales, finance, LCA, HR, and IT over the next 18 months, of which 1,400 will occur today. We’ll also open new positions to support key investment areas during this same period of time. Our net headcount in these functions will decline by 2,000 to 3,000 over the next 18 months. In addition, our workforce in support, consulting, operations, billing, manufacturing, and data center operations will continue to change in direct response to customer needs.”

Vamos ver agora como se comportam aquelas pessoas para as quais a crise e o desemprego são coisas normais, detalhes a serem sacrificados no altar do livre-mercado.

Talvez alguns dos meus 4,5 leitores estejam a par do conflito que ora se desenvolve a respeito da expansão do aeroporto de Heathrow, em Londres.  As autoridades aeroportuárias resolveram construir uma terceira pista para servir o aeroporto, que hoje é um dos maiores hubs aeronáuticos da Europa (se é que Londres fica na Europa). Problema: além do desconforto nas comunidades próximas provocado pela operação do aeroporto, um grupo de ativistas ambientais liderados pelo Greenpeace resolveu boicotar a construção da terceira pista, um protesto cuja justificativa é o dano ambiental causado pela aviação civil moderna.  E neste boicote estão tomando medidas extremas:

LONDRES – O Greenpeace anunciou que comprou um terreno no local proposto para a terceira pista de Heathrow, em Londres, na tentativa de impedir os planos de expansão do aeroporto.

O anúncio do Greenpeace vem no momento em que ministros estão perto de aprovar a expansão, que custaria 9 bilhões de libras. A decisão deve ser tomada antes do fim do mês.

O Greenpeace pretende dividir a terra em milhares de pequenos lotes, cada um com um dono diferente, além de construir redes de túneis ao longo do terreno.

A atriz Emma Thompson e o comediante Alastait McGowan estão entre as pessoas que assinaram a escritura na última sexta-feira, segundo o Greenpeace.

A participação de Emma Thompson tem sido bastante importante nesta história.  Parece que a contribuição dela à compra do terreno foi substancial.  E provocou uma resposta mal humorada de  Geoff Hoon, secretário de transportes britânico:

Transport secretary Geoff Hoon picked on the Oscar winner Emma Thompson who emerged as a leading figure in the campaign to stop the third runway at Britain’s biggest airport.

In an interview with the Guardian in which he also urged Barack Obama to change American attitudes to climate change, Hoon was outspoken in his criticism.

“She has been in some very good films. Love Actually is very good, but I worry about people who I assume travel by air quite a lot and don’t see the logic of their position, not least because the reason we have got this problem in relation to Heathrow is that more and more people want to travel more and more,” he said.

He added: “BAA do not wake up in the morning and think ‘we need a bigger airport’ and airlines do not say ‘we need to put on more flights’ unless there is a demand for it. So the point is about not just Emma Thompson, but lots of people. If someone living in LA says he did not think it was a good idea to expand Heathrow, well the last time I looked the only way to get from LA to Britain is Heathrow.“”

Ao que Emma Thompson respondeu:

It sounds like the transport secretary has completely missed the point. Again.”

***

Antes de ter alguma uma posição sobre a questão de Heathrow, é bom olhar os impactos da aviação civil sobre a mudança climática. O estudo seminal sobre o assunto é o relatório especial sobre aviação feito pelo IPCC em 1999. Ali se declara quais são as principais formas pelas quais a indústria da aviação civil pode afetar a mudança climática:

Aircraft emit gases and particles directly into the upper troposphere and lower stratosphere where they have an impact on atmospheric composition. These gases and particles alter the concentration of atmospheric greenhouse gases, including carbon dioxide CO2), ozone (O3), and methane (CH4); trigger formation of condensation trails (contrails); and may increase cirrus cloudiness-all of which contribute to climate change.”

A relação causa-efeito pode ser melhor aferida a partir deste esquema:

tiposdeimpactosaviacaoclima

Como se vê, existem vários canais pelos quais se aferir o impacto da aviação civil sobre o clima.  O mais direto é a produção direta de CO2, mas existem também outros efeitos derivados de reações químicas observadas na atmosfera catalisadas por outros produtos da exaustão das turbinas dos aviões, além de efeitos especificamente microfisicos, como os contrails (aqueles filetes de condensação de vapor que se vê atrás dos aviões em altas altitudes) e formação de cirros, que podem afetar o albedo terrestre.

Quaisquer que sejam os efeitos, porém, eles certamente são amplificados pelo crescimento do tráfego aéreo doméstico e internacional, o qual, segundo projeções, deve crescer muito(*):

milhasvoadas

Para piorar, entre as várias modalidades de transporte, o aéreo é o que tem a maior contribuição em termos de CO2 despejado na atmosfera por tonelada-quilômetro:

co2intensityfreight

No entanto, em termos de potencial de mitigação, isto é, o quão um determinado fator causador de efeitos climáticos poderia colaborar para reverter este efeito se algo fosse feito a respeito, a aviação civil não ocupa uma posição de muito relevo.  Essa é a estimativa para o potencial de mitigação constante no relatório Climate Change 2007 do IPCC:

mitigation

Vê-se que o potencial de mitigação da atividade de transportes não é dos maiores (o que me surpreendeu), pelo menos sem considerarmos a questão da viabilidade técnica e política de cada potencial isoladamente.  Estimativas indicam, porém, que a aviação civil contribui com aproximadamente 3 a 3,5% do total de CO2 produzido na atividade de transporte.  Em sendo assim, os esforços de mitigação estariam muito melhor direcionados se voltados para outras atividades (como energia e construções).

***

Concluo daí que por mais impopular que seja a tal terceira pista o Greenpeace (e a Emma Thompson) talvez estivesse utilizando melhor os seus euros as suas libras se se concentrasse em outros tipos de campanha que não contra a aviação civil, uma atividade que, ainda por cima, não tem substitutos óbvios _ dentro do atual contexto de organização econômica da sociedade, pelo menos (especialmente vôos internacionais, que são um terço do total).  

Claro que uma possibilidade seria focar em segmentos mais facilmente substituíveis. Por exemplo, o estima-se que dentro do Reino Unido 93% das viagens de negócios sejam feitas por via aérea _ mas espera-se que o crescimento da “telecomutação” possa no futuro próximo diminuir a necessidade das viagens de negócios (embora o mundo virtual não seja tão livre de efeitos climáticos assim).

Por outro lado, há uma falha fundamental no argumento de Geoff Hoon.  Ao dizer que as pessoas que reclamam da construção da pista paradoxalmente são usuárias do transporte aéreo, Hoon avaliza uma “solução de mercado”, isto é, se as pessoas estão insatisfeitas com o transporte aéreo que não o usem, e que se a expansão se mostra necessária é porque as pessoas estão querendo usar o transporte aéreo.  Ele se esquece porém que certas soluções não são viáveis a partir da vontade individual de cada cidadão, e que certos problemas demandam respostas coletivas (porque surgem de falhas de mercado).  Portanto, a solução para um modo de vida que crescentemente demanda o uso do transporte aéreo (ou por falar nisso, o terrestre também) exige uma solução coletiva, pela via política.

Vale a pena realçar este ponto porque este tipo de argumento que beira o cinismo é encontrado frequentemente na boca de políticos e pundits da imprensa.

Deu no Estadão:

TJ absolve dono do Bahamas de ação sobre prostituição
Oscar Maroni Filho era acusado de manter esquema na boate da zona sul de São Paulo

SÃO PAULO – O Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo absolveu o empresário Oscar Maroni Filho da acusação de manter um esquema de prostituição na boate Bahamas, em Moema, na zona sul de São Paulo. O recurso proposto pelo advogado dele, Mauro Otávio Nacif, foi aceito por maioria de votos. “Não era uma casa de prostituição. O tribunal entendeu que era apenas uma boate com mil atrativos“, explicou Nacif.” [grifo meu]

***

O que vai ter de “moça com mil atrativos” por aí agora não está no gibi.

Parece que o Palm Pre deu um banho na CES.

Um bom produto pode salvar a empresa, que há muito perdeu o caminho do sucesso. E ainda arrisca de deixar a RIM comendo poeira

(enviado da minha baga preta)

Ontem fui ver “Se Eu Fosse Você 2“.  Gostei.

Hoje no almoço, entreouvi na mesa ao lado: “o filme não tem história, nada, é uma besteira.  Mas é divertidíssimo“.  É isso aí, melhor um filme porcaria que é bom do que um filme bom que é uma porcaria.  Não à toa, o site do filme já ostenta: “a maior abertura da retomada do cinema nacional: 1.000.000 de pessoas já assistiram“.  E é mesmo:

10maioresaberturas1

(clique para ampliar)

Cada vez mais acho que um dos problemas do cinema nacional é de gap geracional: com o passar dos anos, os diretores com mentalidade forjada na “luta contra a Ditadura”, exclusivamente preocupados com os grandes temas ou com a “arte pela arte”, irão dando lugar a gente mais preocupada com o entretenimento.  Não é à toa que o diretor do SEFV2 é Daniel Filho, que se não é propriamente um representante das novas gerações, pelo menos tem outra cabeça.

Esse tipo de filme é importante não apenas porque viabiliza uma indústria autóctone, um capitalismo fílmico na produção nacional, como também tem a função importantíssima de “criar público”, e afastar o preconceito (ainda enorme) das platéias brasileiras ao filme nacional.

No limite, este movimento também beneficia o cinema “cult” e de arte,  que podem vir na rebarba de produtores e estúdios que querem ter um pezinho também no prestigioso setor de festivais e prêmios.

skinny_lead_narrowweb__300x4490-1

Novo mercado para as “magrinhas”

Uma consequencia imprevista da crise é que, preocupadas em economizar combustível, as linhas aéreas estejam dedicadas a jogar fora todo lastro possível.

A Air India acaba de demitir dez aeromoças que estavam acima do peso, segundo reportagem da Economist.  Embora o cronista reconheça que a natureza do trabalho das comissárias de bordo exige um certo tamanho máximo (para permitir que os passageiros passem pelos corredores enquanto elas atendem alguém), ele teme que no caso esteja em jogo uma certa noção de estética, suspeita reforçada pelo comentário de um jornal indiano segundo o qual os passageiros, afinal, não precisam ver mais pneus do que os necessários para a aterrisagem.  O artigo tem comentários em que os homens indianos aparecem sob uma luz bastante desfavorável…

“Half is the new Alpha”

_ Clusterstock

Como vocês já devem estar carecas de saber, a Apple finalmente retirou o DRM do iTunes _ e cobrará preços variáveis pelas músicas, de acordo com sua popularidade (em 3 diferentes níveis).  Bom para quem tem gosto diferente da manada.

Isso pode ser o início da tão propalada mudança no modelo de negócios da indústria musical.  O Ritholtz traz alguns números interessantes sobre as vendas em 2008 da indústria (incluindo concertos ao vivo, que podem vir a ser a principal fonte de receitas em breve):

Music sales are following the trend established over the oast several years: Digital Sales Up, Physical unit sales down, and overall revenue sliding further.

• Total album sales fell to 428.4 million units, a drop of 8.5% (2007 = 500.5 million).

• Physical album sales fell 20% to 362.6 million (from 450.5 million)

• Digital album sales rose 32% percent to 65.8 million units;

• Digital track sales were up 27%, breaking the 1 billion mark for the first time at 1.07 billion.

• Total transactions rose 10.5% to 1.5 billion;

• All Genres saw losses: Classical music dropped 26%; Country fell 24%; Latin was off 21.1%;

• Vinyl album sales also grew with 1.88 million vinyl albums purchased for the year.

Concerts saw higher revenue, due primarily to higher ticket prices. For the 100 top-grossing shows:

• Box-office receipts from North American concerts were $4.2 billion, up 7.8%;

• Average ticket prices cost $66.90, up 8%;

• Number of tickets sold fell 3%, to 35.6 million

Top 10 highest-grossing tour of 2008 in North America:

Madonna – $105 million Celine Dion – $94 million Eagles – $73.4 million Kenny Chesney – $72.2 million Bon Jovi – $70.4 million Bruce Springsteen & The E Street Band – $69.3 million Neil Diamond – $59.8 million Rascal Flatts – $55.8 million The Police – $48 million Tina Turner – $47.7 million

***

Por isso, se seu filho quer ser um músico, garanta que ele não tem amigos chamados Milli ou Vanilli.

panetone2

Nham!

O Valor nos informa que quem investiu em panettones em 2008 se deu bem:

As vendas subiram 6%, em volume, em relação a 2007, puxando para cima o desempenho dos produtos sazonais, segundo a Associação Paulista de Supermercados (Apas).

(…) O crescimento no faturamento ficou em torno de 4% acima da inflação do ano. “Tendo em vista o cenário econômico ruim que se pintava e a expectativa negativa do consumidor, esse resultado foi muito bom”, diz o vice-presidente da Apas, Martinho Paiva Moreira.

(…)Todas as marcas de panetone, desde as novatas até as mais tradicionais, tiveram um bom desempenho de vendas, segundo a Apas. A Nestlé, por exemplo, que estreou no setor com três tipos de panetone somente no Estado de São Paulo, conseguiu 15% de participação no mercado, ficando apenas atrás da Bauducco, líder tradicional de vendas. O panetone Alpino, de chocolate, foi o de melhor desempenho na multinacional. A menos de 10 dias do Natal, 90% da produção já havia esgotado. Houve até supermercado em que o produto faltou. “Mesmo com preços em média 5% mais alto, houve marca que cresceu individualmente mais que isso”, diz Martinho.”

O que não impede o crescimento relativo do oligopanetólio (ainda que aparentemente por uma boa causa):

Os únicos panetones que venderam pouco foram os chamados “caseiros”, ou seja, os de fabricação própria das padarias dos supermercados. “Não temos números ainda, mas sabemos que esse é um mercado que está encolhendo”, diz. O panetone industrializado tem fermentação natural, que leva mais de 56 horas. Os de fabricação na loja ficam no máximo duas horas fermentando, o que muda a qualidade do produto.”

Pior (ou melhor, dependendo do ponto de vista) para o peru de Natal:

O mau desempenho do ano ficou por conta dos perus, aves do tipo chester e tenders, que cresceram apenas 1% em relação às vendas de 2007. “Esses produtos chegaram custando muito caro e isso assustou o consumidor”, diz Martinho. As aves e o tender iniciaram a temporada de vendas natalinas custando 25% a mais que em 2007. O impacto foi tão ruim que os varejistas tiveram que baixar o preço às vésperas do Natal. O reajuste, que havia chegado às prateleiras em 25%, baixou para 10%.

Como convém aos dias de barbárie que correm, parte do bom desempenho do panetone deveu-se ao relaxamento do cânone em favor das massas de jovens ignaros, como nos informa outra matéria, mais antiga, do mesmo jornal:

Quem é fã do panetone tradicional pode ficar arrepiado com a notícia: os chocotones já vendem tanto quanto a versão original, com frutas cristalizadas. (…)

Até 2006, segundo estimativas dos fabricantes, a participação de mercado da versão de chocolate do quitute natalino era de, no máximo, 40%, sendo que o restante ficava com a receita tradicional. Já no ano passado o chocolate ficou com 40% e o de frutas com 60%. “Há regiões neste ano em que estamos vendendo mais o chocotone do que o de frutas”, diz Reinaldo Bertagnon, gerente comercial do Grupo Village, sem revelar quais localidades seriam essas.

Mas, de acordo com Paulo Cardamone, diretor de marketing da Bauducco, o chocotone normalmente é a versão preferida de jovens e crianças. Por isso, o produto vende mais em regiões onde essa população prevalece. “Nos supermercados onde o fluxo maior é de famílias com criança, a maior parte das vendas fica com o panetone de chocolate. Mas onde prevalece o consumidor mais velho, os de fruta ganham”, acrescenta Moreira, da Apas.” [grifo meu]

Nem o panetone escapa do generation gap…e depois querem me convencer a ouvir Radiohead.  Humpf.

***

E o pior é que o inocente panetone ainda pode deflagrar um conflito internacional.  A Itália deseja ver o panetone objeto de proteção por denominação de origem, como os vinhos, e pensa até em ir à OMC contra a competição latino-americana:

Agriculture Minister Paolo De Castro said the government was looking at ways to protect the real Italian cakes from growing competition in Latin America. Officials are examining whether they can take action at the World Trade Organisation.

“We can’t let all these imitators use a name, a brand that gives them a link to territory that isn’t theirs — in a way they are mocking consumers,” De Castro said.”

Com a palavra, a família Bauducco:

Tudo começou em 1950 com uma doceria fundada no bairro do Bráz por um imigrante italiano chamado Carlo Bauducco que veio ao Brasil com sua esposa e seu filho.Pai, mãe, filho e uns poucos empregados trabalhavam de sol a sol preparando a massa, assando, embalando e vendendo um bolo com uvas-passas e frutas cristalizadas do qual poucas pessoas em São Paulo tinham ouvido falar, mas que logo seria associado ao sabor do Natal. Sua estrutura de funcionamento trazia muito da organização familiar comum nos pequenos negócios europeus da época. Esse espírito, e não só a receita tradicional do Panettone, a Bauducco guarda até hoje.

hoboken-suicide-attempt-jump-from-6-story-window-june-15-2007

Alternative use for Windows

Deu no Fudzilla (sic):

The rumor that Microsoft was set to lay off people on January 15th, 2009 is no longer a rumor but a fact. Staff at Microsoft have been informed that the company is readying major layoffs to its worldwide operations and it’s not a small cut, either.

Currently Microsoft employs about 90,000 people across the world and from what we’re hearing, some 15,000 of those are expected to be giving marching orders come January 15th. That’s almost 17 percent of Microsoft’s total work force, not exactly a small number.

***

Espero que a reality challenged community se saia bem dessa.

Obama escolheu seu secretário de agricultura:  Tom Vilsak, governador do estado do Iowa.

Vilsak, que foi pré-candidato às prévias democratas e apoiou Hillary após desistir,  é alinhado com Obama no quesito “importância dos biocombustíveis”.  No entanto, à primeira vista sua indicação poderia trazer problemas à política brasileira para o setor, já que o Iowa é um estado com uma grande produção de milho _ uma indústria ansiosa por subsídios e proteção tarifária para seu projeto de viabilizar-se como produtora de etanol a partir do milho.  Nesse caso, porém, ele já deu declarações que podem ser usadas contra ele no f uturo, caso mude de idéia:

“Don’t assume that I necessarily think corn is the answer. I think it was a great way to start the conversation but in the long run there is not enough corn and we do not want to create a competition between food, fiber and fuel.”

“We need to encourage the research and development of alternatives to corn. We also need to take a look at the tariffs in terms of Brazil. We need to reduce and ultimately eliminate those tariffs, bring the Brazilian ethanol into this country, create a demand for E85, put pressure on Detroit to create more flexible-fuel vehicles and you’re going to see a growing economy and a less-dependent oil economy.”

No Valor de hoje, uma matéria interessante sobre o destino de Hollywood com a crise (traduzida da Businessweek):

Nem Hollywood escapa do aperto no crédito
Ronald Grover e Tom Lowry, BusinessWeek, de Los Angeles e Nova York

Diante de um prato de risoto no restaurante Ca’Brea, o ex-presidente do conselho de administração da Sony Pictures Peter Guber lamenta a situação do setor cinematográfico. Um filme que ele está tentando fazer encontra-se no limbo, bloqueado por um banco que insiste que ele deve colocar mais dinheiro na empreitada antes de fechar qualquer acordo. “Ninguém quer emprestar dinheiro hoje em dia para um ativo que levará meses para ser criado”, diz Guber, antes de sair correndo para se encontrar com seu banqueiro.

Assim como o resto de Hollywood, Guber está descobrindo que a fábrica de sonhos de Los Angeles não fica imune quando o resto dos Estados Unidos mergulha numa recessão. Cinemas de todo o país estão vendendo menos ingressos. As vendas de DVDs, que geram bastante lucro, estão esfriando. E, em algumas semanas, o Screen Actors Guild – o sindicato que representa mais de 120 mil atores – poderá autorizar uma greve capaz de paralisar Hollywood pela segunda vez em um ano.

É difícil ver as marcas de preocupação no rosto das pessoas quando metade de Los Angeles está cheia de botox. Mas o mal-estar está no ar. Sim, a produção para TV vai bem. Mas grande parte dessa atividade se deve ao fato de que as redes de televisão estão correndo para recuperar o tempo perdido depois da greve dos roteiristas, que durou 14 semanas e paralisou Hollywood no começo do ano. E embora alguns se perguntem se o Screen Actors Guild vai mesmo declarar uma greve num momento de tamanha vulnerabilidade econômica, os estúdios estão tirando o pé do acelerador silenciosamente. Eles estão demorando mais para aprovar filmes de grandes orçamentos e as redes de TV passaram a encomendar séries sem episódios piloto caros.

Mesmo antes da economia americana sair dos trilhos, os estúdios estavam fazendo menos filmes. A Media by Numbers, empresa que monitora as bilheterias dos filmes, diz que os estúdios vão lançar cerca de 450 filmes este ano, 67 a menos que em 2007. No ano que vem o número será ainda menor. A Paramount já disse que vai realizar 20 filmes neste ano e no próximo, em vez de 25. A Time Warner fechou sua unidade New Line Cinema. Enquanto isso, até mesmo os gigantes estão tendo problemas para conseguir financiamentos. A DreamWorks SKG, de Steven Spielberg, vem conversando com bancos há semanas sobre como estruturar uma linha de crédito de US$ 750 milhões.

Para piorar ainda mais as coisas para a economia de Los Angeles, Estados americanos necessitados de caixa estão usando isenções fiscais polpudas para atrair produtores de cinema e de séries de TV. No fim de novembro, o Estado de Illinois aprovou um crédito fiscal de 30% para atrair produções (Michigan já tem um crédito de 40%), e antes disso o Estado de Nova York aumentou seu crédito para 35%. Desde então, Los Angeles perdeu duas séries de TV para Nova York: “In Treatment”, da HBO, e “Ugly Betty”, da ABC. “Los Angeles precisa se esforçar mais ou esse tipo de coisa continuará acontecendo”, afirma Silvio Horta, o criador de “Ugly Betty”. “Cedo ou tarde, Hollywood será apenas um estado de espírito e não uma locação de fato para produções.”

Na Califórnia, o governador Arnold Schwarzenegger está conclamando o poder legislativo do Estado a aprovar seus próprios incentivos. Seu pedido ocorre no momento em que alguns estúdios começam a demitir funcionários. A NBC Universal está cortando seu orçamento em US$ 500 milhões e funcionários já aguardam suas cartas de demissão. A Lions Gate Entertainment, que produz o seriado “Mad Men”, da rede de TV a cabo AMC, demitiu 41. E pouco antes do feriado do Dia de Ação de Graças, a The Weinstein Co. demitiu 24 pessoas, 11% de sua equipe.

A situação de Hollywood não chega a ser tão terrível quanto a do Meio-Oeste, por exemplo. Mas Tinseltown, como é conhecida a indústria cinematográfica americana, alardeou durante muito tempo ser à prova de recessões. “Isso é loucura”, diz um ator que acabou virando garçom, chamado Justin. “É como se estivéssemos no setor automobilístico.“”

***

Throughout most of the Depression, Americans went assiduously, devotedly, almost compulsively, to the movies…the movies offered a chance to escape the cold, the heat, and loneliness; they brought strangers together, rubbing elbows in the dark of movie palaces and fleapits, sharing in the one social event available to everyone.” 

–Carlos Stevens
From the Crash to the Fair
The Public Theatre, 1979

Como será que Hollywood reagirá à recessão (ou depressão) do próximo ano?

Se a História nos traz lições, provavelmente, com mais escapismo _ mas não necessariamente com mediocridade.  O período da Grande Depressão nos deu “E o Vento Levou”, “King Kong”, “O Mágico de Oz” e “Branca de Neve”, por exemplo.  Todos eles, curiosamente, foram filmes inovadores em sua época _ Disney, por exemplo, foi muito criticado quando planejou “Branca de Neve”, o primeiro “feature film” animado.

Por outro lado é possível que a redução de capitais disponíveis estimule novas técnicas poupadoras de recursos na produção cinematográfica.  Um dos maiores extratores de “rents” da indústria são astros e estrelas, e há muito se promete o advento de “computer graphics” suficiente realista para prescindir de atores reais.  Nessas circunstâncias, a tal greve dos atores pode ser um tiro no pé…

icar1-done

O Barry Ritholtz, do blog “The Big Picture”, tem boas sacadas e seu blog tem me ajudado muito a acompanhar a crise.  Mas de vez em quando, como todo mundo aliás, ele pisa na bola. A pisada foi endossar este artigo do Robert X. Cringely, “What if Steve Jobs ran one of the Big Three auto companies?“.  

A idéia básica: as 3 grandes de Detroit deveriam adotar a filosofia de Steve Jobs na Apple, que praticamente liquidou a manufatura da empresa, transformando-a em uma entidade responsável pelo design e marketing dos seus produtos, apenas.

***

Alguém se prontifica a mostrar pelo menos um dos motivos pelos quais o artigo é bobo?

Matéria do NYT diz que até mesmo a mais antiga das profissões está sofrendo os efeitos da crise:

While the world’s oldest profession may also be one of its most recession-proof businesses, brothel owners in Europe and the United States say the global financial crisis is hurting a once lucrative industry.”

Mas o interessante mesmo na matéria é a descrição dos efeitos do fim do comunismo na Europa do Leste e da ascenção do negócio do sexo nos países ex-comunistas:

“Since the fall of Communism in 1989, the Czech Republic has become a major transit and destination country for women and girls trafficked from countries farther east like Ukraine, Russia, Belarus and Moldova, according to the police.

For nearly 20 years, tens of thousands of sex tourists have streamed into Prague, the pristinely beautiful Czech capital, drawn by inexpensive erotic services, an atmosphere of anonymity for customers and a liberal population tolerant of adultery. According to Mag Consulting, 14 percent of Czech men admit to having sex with prostitutes, compared with a European Union average of 10 percent.

Dozens of cheap flights to Prague have also ensured a flow of bachelor parties from across Europe, with multiple daily flights from Britain alone.

Será o fim das Natashas?  Duvido:

Hana Malinova, director of Bliss Without Risk, a prostitution outreach group, said she feared the current credit crunch was pushing more poor women into prostitution, since they could make more money selling their bodies — about 120 euros for a half-hour session at some upscale sex clubs in Prague — than flipping burgers at McDonald’s.

white trash data center

Em uma matéria do Register sobre os novos “computing traillers” com que a Microsoft tenta combater o Google na batalha pela “nuvem”:

(…) Sun and Rackable would appear the most likely suppliers of Microsoft’s containers, which we’ve dubbed white trash data centers much to the chagrin of five Register readers. (This is not a racial slur against white folk but rather an embrace of the Southern, food stamp culture your reporter shares with trailerized people.)” [grifo meu]

(hat tip: Nick Carr)

[tudo isto tem a ver, é claro, com o conceito de computação como utility, lindamente decantada nesta frase de Daniel Hillis, o gênio da supercomputação que resolveu ganhar dinheiro na Sun:

"Long an advocate of the concept of utility computing, analogous to the way electricity is currently delivered, Mr. Hillis said he realized that large companies were wasting significant time assembling their own systems from small building blocks. “It struck me that everyone is rolling their own in-house and doing manufacturing in-house,” he said. “We realized that this obviously is something that is shippable.

That´s it, man.  Aliás, não sou muito dado a bajulações, mas Daniel Hillis é um cara de quem é fácil ser fã.  Em um de seus empreendimentos antigos, onde ele tentou (com Richard Feynman como associado...) construir uma máquina inteligente inspirado no paradigma conexionista, o slogan da empresa era:

"We're building a machine that will be proud of us"

Pode dizer: o cara é bom...]

Também no Valor, uma matéria sobre a Gafisa (ou melhor, sobre a mudança de comando na Tenda, construtora voltada para o mercado, er, “popular”, que afundou em um episódio curioso e foi comprada pela construtora paulista).

É heróico comprar uma construtora residencial voltada para a baixa renda nesta época.

Se eu ainda fosse um cara de case studies estudaria a Gafisa.  Há pouco tempo eles compraram a Alphaville, empresa especializada na construção de condomínios de luxo.  Sinal de que eles querem ser capazes de oferecer um “cardápio completo” no negócio imobiliário.  Resta saber se vai dar certo.

Felizmente, não temos um mercado hipotecário pujante.   :)

thorbright

Filosofando a marteladas

Anteontem eu conversava com uns amigos quando um deles disse que gostaria de ver uma adaptação para o cinema de “Thor”.

Pois é, parece que a última moda em Hollywood é usar histórias em quadrinhos como inspiração para novos filmes.   O Den of Geek traz uma lista de 75 quadrinhos que podem acabar nas telonas nos próximos anos.  E _ surpresa! _ Thor está lá, com estréia prevista para julho de 2010.  Parece que Daniel Craig não quis poluir sua atual franchise de 007 com martelos e capacetes com asas e declinou o convite de interpretar o deus nórdico.

paris-texas02

O prefeito de uma cidade turca resolveu processar Chirstopher Nolan e a Warner Brothers por terem usado o nome “Batman” no filme “Batman”.   O motivo?  Bem, o nome da cidade que elegeu o prefeito é…Batman.  E ele alega que o filme tem causado problemas de ordem psicológica à cidade, como, por exemplo, o aumento da taxa de suicídio entre as mulheres.

Talvez o que explique a taxa de suicídio seja o crescimento do fundamentalismo muçulmano na Turquia.  Mas de qualquer forma, não deixa de ser um contra-ataque original, ainda que provavelmente ineficaz, ao tipo de sacanagem que a indústria do audiovisual vem preparando contra seus consumidores.

No meio de uma discussão sobre os efeitos da recessão na lealdade do consumidor às marcas, Yves Smith do Naked Capitalism me sai com essa:

Yves here. Moisturizers are one of the many ripoffs foisted on the fairer sex to keep them broke and dependent on male support. Any dermatologist will tell you (unless they are pushing their own product line, of course) that all it does is seal water into your skin, not add “moisture”. The trick is putting something that will keep the water in after you wash your face. I was told that one derm at a national conference recommended Crisco (clearly to express her dim view of marketing hype).Back to the story:”

Delicioso, não?

Yves Smith é uma donna, tem 25 anos de carreira no mercado financeiro e há 6 anos bloga no “Naked Capitalism”, referência indispensável para entender a crise.  Recomendo.

Uma seleção.  Você pode conferir a versão integral aqui. Mas realmente só tem graça para quem está muito por dentro do metiê.

Minhas preferidas vão em azul:

Bear Stearns Farm :

You’ve got two cows. It happens you’re playing golf while the first one escapes. You don’t give a shit. Cousin Jamie comes with uncle Ben and they steal your second cow, but you may as well keep playing bridge, ‘cos you still just don’t give a shit.

UBS Farm :

For ages, you had two plain vanilla traditional swiss cows. Ten years ago American farmers started to breed tantamount structured cows, producing tons of that new ponzi milk powder. After years of regretting not to participate in the bonanza, you came to get into structured milking just at the time where people figured out milk powder is just plain shit. In the meanwhile, the Food & Drugs Administration sues you for the 1st class swiss milk you’ve been pumping out of the US since farming was invented.

Fannie & Freddie Mortgage Farms :

You’ve got two cows, but they are starving, so your friend Henry comes up with a great plan : your cows will drink their own milk. This is where you explain Henry that they already do, since the beginning of the business.

Merrill Lynch Farm :

You’ve got two cows, and the farm is on fire. Farm of America agreed they will take the cows over, but they did not decide yet if they will let the farm burn down.

Lehman Brothers Farm :

YOU used to have two cows, and, look, any of them fucking pricks move… and YOU would have executed every mother fucker last one of them! Please let us know where YOU are, wifey is auctioning the paintings.

AIG Farm :

You’ve got two huge cows, and you sell them to the butcher. A few days after the butcher comes back with your cows for a refund because they’re too big to die.

Citigroup Farm :

You’ve got two huge cows, and you are confident they’re too big to die. The farm is on fire, but nobody notices because it’s burning off-balance.

Washington Mutual farm :

You’ve got two huge cows, you’d like to sell them to the butcher, and you know he won’t take them because they’re too big to die. So you split them in two, and your four newly attractive cows are immediately bailed out.

Alan Greenspan Farm :

You have two cows. You feed them with hormones, and sell their milk to all your neighbours. Then you retire and warn everybody about breast cancer.

Treasury Bond Farm :

You didn’t breed any cow, so you lend two from your chinese neighbour. Then you explain him you ain’t no land neither and he has to open his pasture for the cows he lent you, otherwise they would die, geddit?

Bald & Beard Farm Bailout plan :

You’ve got two cows, you put the farm on fire to get the insurance premium, and you explain on tv that everybody in the neighbourhood has to come fight the fire with their milk.

Short-Selling Ban Farm :

You thought you had two cows, but those are calves. Your wife calls them calves and she tells you to immediately run to town, and exchange them against a proper cow. Bitch. You point your gun at her and shout her to milk those two calves as if they were two cows, right?

Goldman Sachs Farm :

You used to have the two most beautiful cows on the Street, too bad there ain’t any Street anymore. Uncle Paulson left home some years ago, so you have been on your own for a while now. As you end up asking Uncle Warren for some help, you eventually find yourself acting submissively while he is enticing you into an incestuous relationship.

The last six months have made it abundantly clear that voluntary regulation does not work.”

-Christopher Cox,  Chairman Securities and Exchange Commission

(trecho da matéria  do NYT  S.E.C. Concedes Oversight Flaws Fueled Collapse , via The Big Picture)

***

Bonus track:

The commission created the program after heavy lobbying for the plan from all five big investment banks. At the time, Mr. Paulson was the head of Goldman Sachs. He left two years later to become the Treasury secretary and has been the architect of the administration’s bailout plan.

“Ah, bom” track:

On one level, the commission’s decision to end the regulatory program was somewhat academic, because the five biggest independent Wall Street firms have all disappeared.”

***

O fim do mundo.  O fim do mundo de fantasia do livre-mercadismo.

Excelente texto do Nicholas Carr sobre o Google Chrome.  Conclusão dele:

Although I’m sure Google would be thrilled if Chrome grabbed a sizable chunk of market share, winning a “browser war” is not its real goal. Its real goal, embedded in Chrome’s open-source code, is to upgrade the capabilities of all browsers so that they can better support (and eventually disappear behind) the applications. The browser may be the medium, but the applications are the message.

Já baixei e estou usando.  Daqui a uns dias, se der tempo, faço um relato do test-drive.

Deu no blog Zeros e Uns, da Exame, mantido por Sérgio Teixeira Jr.:

É do Brasil-sil-sil

Aconteceu o que parecia óbvio para muitos e que uma própria alta executiva da empresa disse ser uma “evolução natural”: toda a gestão do Orkut vai passar para o Google Brasil.

A mudança ainda está em andamento, e os responsáveis por ela preferem esperar um tempo antes de relatar em detalhes como será a nova gestão do serviço de maior audiência do Brasil. Mas a decisão já foi tomada. O Orkut será um dos raros produtos do Google totalmente gerenciados e desenvolvidos fora da sede, em Mountain View, na Califórnia.

O desenvolvimento vai ficar a cargo da equipe de 50 engenheiros que o Google tem em Belo Horizonte. Uma ou outra função específica pode ser terceirizada para outros centros, mas todas as decisões sobre o produto vão ser tomadas pelo escritório daqui. Quem está cuidando da transição é Victor Ribeiro, ex-diretor do UOL que foi contratado pelo Google em fevereiro.

“Era uma evolução quase natural”, diz Sukhinder Singh Cassidy, responsável pela empresa na América Latina e na região Ásia-Pacífico. “O Brasil tem a maior base de usuários do Orkut no mundo. Vamos aprender com os usuários brasileiros e levar as inovações que saírem do país para o resto do mundo.”

Essa notícia é mais um sinal da crescente importância do Brasil nos planos do Google. Como escrevi nesta reportagem exclusiva que está na nova edição de EXAME, o país foi promovido dentro da estrutura mundial da empresa e agora vai comandar toda a América Latina. O presidente do Google Brasil, Alexandre Hohagen, também subiu um degrau na companhia, e vai chefiar as operações da empresa do México até a Argentina.

Depois de anos esquecido em algum canto na sede do Google, quem sabe agora, sob o comando de brasileiros, o Orkut — e seus 29 milhões de usuários brasileiros — recebe a atenção que merece.

Ok, ok, ufanismos à parte, eu desconfio que esse movimento tem dois motivos básicos:

a) O primeiro está exposto no texto: no momento em que olho, a base de usuários do Orkut tem 53,3% de brasileiros.  Em distante segundo lugar vem a Índia (faz tempo que não olho, porque costumava ser o Irã ou o Paquistão), com 17,07% e em terceiro os EUA, com 15,14%.  Enquanto isso, redes sociais crescentes e afluentes como o Facebook são fortes nos EUA e Europa (mais dados aqui).  Isso significa, provavelmente, que qualquer que seja o modelo de negócios que transfomará redes sociais em dinheiro (e há considerável controvérsia sobre o assunto), o Orkut tem um potencial bem menor que seus atuais concorrentes.

b) O segundo tem a ver com os problemas legais enfrentados pelo Orkut.  Vocês provavelmente estão lembrados de episódios envolvendo desde problemas de privacidade e imagem até pornografia infantil envolvendo o site, que levaram o Google a ter que assinar um termo de conduta com o Ministério Público.  Esta fonte inesperada de problemas não deve ter deixado a firma cujo lema é “Don’t be evil” nada feliz.

Diante disso, acredito que a entrega do controle do Orkut à subsidiária brasileira provavelmente significa que o mesmo perdeu importância estratégica para o Google.   E pode significar também _ caso o Google ainda esteja convencido de que redes sociais, afinal de contas, são importantes _ que o Google vá às compras _ antes que um aventureiro o faça.

Deu na Exame:

Acionistas da PETROBRAS ameaçam ir à Justiça contra “Petrosal”

Por Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Se o governo delegar à uma nova estatal todos os poderes sobre o petróleo extraído da camada pré-sal pode se preparar para ações na Justiça dos atuais acionistas da Petrobras .

Pela primeira vez reunidos em assembléia, depois de ter aumentado dentro e fora do governo o apetite por uma espécie de “empresa espelho” da Petrobras para o pré-sal, apelidada pelo mercado de “Petrosal”, os acionistas questionaram nesta quarta-feira o diretor financeiro, Almir Barbassa, que se limitou a dizer que não iria comentar o assunto.

Ele lembrou que uma comissão interministerial foi criada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar do pré-sal e que ainda não há nenhuma definição. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, apóia a nova estatal.

A preocupação do governo é garantir maior arrecadação diante da perspectiva da existência de um volume de petróleo que colocaria o Brasil entre as grandes potências produtoras.

A reunião com os acionistas aconteceu um dia depois de o presidente Lula falar com todas as letras que o pré-sal “não é para meia dúzia de empresas”, aumentando ainda mais a preocupação em relação ao tratamento que será dado à nova área.

Até aí, tudo bem.  O direito de espernear é livre a acho que há fumos de bom direito na reivindicação dos acionistas, ao menos quanto às áreas já exploradas pela Petrobrás _ se hoje o pré-sal é uma área com “risco zero” de exploração isso se deve em grande medida à ação da empresa na área.  Porém às vezes nego se excede:

Pode ir para o Supremo (Tribunal Federal) e se alongar durante muito tempo sim”, disse à Reuters o presidente da Apimec/RJ [Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais, N. Hermê], Luiz Fernando Lopes Filho, após a assembléia, referindo-se à possibilidade de criação de uma nova empresa para o pré-sal.

Tem gente inclusive da própria oposição ao governo comungando com isso, que devemos aproveitar esses recursos extraordinários para investir em educação. Como disse ontem o Tasso Jeiressati…há um complô formado para isso, complementou.

Ou seja, o cara já caiu no “framing” do problema colocado pelo Presidente…e só vai sair dali bem machucado.   Se sair…   :)

O Rafael Figueira deu a dica e eu corri atrás.  Da Wikipedia:

Cuil (pronounced [kuːl], “cool”), from the Gaelic for knowledge and hazel, is a search engine that went live on July 28, 2008.[1][2] Cuil’s developers aimed to provide a more comprehensive search engine with more relevant results than existing search engines. Uniquely, it organizes web pages by content and displays relatively long entries and pictures for each result. It claims to have a larger index than any other search engine, with about 120 billion web pages. Cuil is managed and developed largely by former employees of Google.[3]

Unlike Google,[4] Cuil’s privacy policy claims that it does not store records of users’ search activity or IP addresses.[5]

Cuil’s founders, Anna Patterson, Russell Power and Louis Monier are former Google employees, while Tom Patterson has worked for IBM and others.” [grifo meu]

Francamente, fiz uns testes e achei fraco.  Curiosamente, entretanto, o Cuil tem 3 resultados entre os 10 mais termos buscados no Google, segundo o Google Hot Trends que acabo de acessar:

(clique para ampliar)

Não deixa de ser irônico, não?

***

Update: ok, nem tão fraco:)

Interessante artigo no Valor de hoje sobre o crescimento da indústria brasileira de livros infantis:

Nem só de Paulo Coelho vive a literatura brasileira no exterior. O mercado editorial nacional faturou R$ 14,4 milhões com a venda de direitos autorais a outras nações em 2006, uma alta de 4,2% em relação ao ano anterior. O valor ainda é pouco representativo se comparado aos R$ 194 milhões desembolsados pelas casas editoriais para compra de obras estrangeiras. Mas há sinais de que a exportação de direitos autorais de obras brasileiras continua crescendo e que o livro infantil, em especial, atrai interesse dos estrangeiros.

Este trecho é curioso:

Mas para entrar no mercado editorial internacional não basta ter uma história de carochinha bem ilustrada. Cada país tem características próprias e nem sempre é um conto de fadas. Nos Estados Unidos, maior mercado editorial do mundo com vendas de cerca de R$ 35 bilhões, segundo dados da consultoria Euromonitor, há resistência a livros infantis brasileiros, atesta a Melhoramentos. “Os americanos são super conservadores, gostam de histórias com reis e rainhas“, conta Lerner, com experiência de três décadas no mercado internacional.” [grifou meu]

Enquanto isso, o Ministério da Cultura vai dobrando as mangas da camisa:

Com orçamento de R$ 1,2 bilhões para 2008, o Ministério da Cultura (MinC) pretende intensificar as políticas públicas para direitos autorais no País. Isso inclui a criação de uma diretoria de propriedade intelectual, dentro do ministério, e a tentativa de tirar do papel o projeto de uma agência nacional que cuide do assunto.

As informações são do secretário de políticas culturais do MinC, Alfredo Manevy, que falou durante o Fórum Internacional de Economia Criativa, em São Paulo. “A cultura brasileira é o que temos de mais representativo, porém não nos gera riqueza, porque não tivemos um histórico voltado para o licenciamento de direitos autorais.” [grifo meu]

Na íntegra, abaixo do folder, o artigo sobre livros infantis, para os sem-Valor.

Leia o resto deste post »

Quem tem alguma memória talvez se lembre que, na época da fusão entre Antarctica e Brahma, os defensores da operação juravam de pés-juntos de que ela seria necessária para ganhar escala e combater as marcas estrangeiras.

Dizia a Veja, no longínquo ano da graça de 1999:

(…)Em outros tempos, com as fronteiras do país fechadas, a notícia do surgimento de um conglomerado monstruoso desses seria assustadora para o consumidor brasileiro. Uma empresa tão grande, que concentra quase três quartos do mercado, poderia fazer um estrago e tanto. Poderia tabelar preços, esmagar a concorrência, controlar os pontos-de-venda e submetê-los a contratos leoninos e piorar a qualidade dos produtos que fabrica. Tudo isso sem muito risco. Por que não agora?

Numa economia global, a fusão das cervejarias Brahma e Antarctica aparentemente não oferece esses perigos. De acordo com os especialistas, tudo conspira para que aconteça justamente o contrário. Fortalecida pelos números que a operação envolve, a AmBev estará em condições de baixar seus custos operacionais, o que pode ser ótimo para quem compra cerveja. Além disso, fica em condições de brigar de igual para igual no mercado internacional. “Se as companhias brasileiras não ganharem robustez acabarão sendo compradas pelas concorrentes estrangeiras”, afirma Marcel Telles, de 49 anos, presidente do conselho de administração da AmBev, mesmo cargo que ocupava na antiga Brahma.

Nem o bom velhinho barbudo, o Carlos, escapava de colaborar para uma argumentação porca que a Veja e seus colaboradores parecem, misteriosamente, ter esquecido quando se trata de aplicá-la ao negócio de telefonia:

O negócio marca a entrada do Brasil na era das superfusões de empresas, a característica mais significativa do capitalismo mundial (veja reportagem). Há uma espécie de relógio correndo, que acelera inevitavelmente as fusões. O relógio atende pelo nome de Alca, o bloco comercial que em 2005 integrará as economias das Américas. Cairão as barreiras tarifárias entre os países e em vários setores, como o de bebidas, quem não produzir como gente grande corre o risco de ser varrido do mapa. Ou ter de se contentar com uma fatia modesta de mercado. O futuro vem acompanhado de uma competição darwiniana. Só os maiores, mais fortes e mais eficientes sobrevivem.

Saudade, né? Era um tempo, aliás, em que a Veja era especialmente condescendente com lobbies privados em gabinetes públicos:

A estratégia para obter o apoio do governo e a aprovação do Cade incluiu uma passagem pelos gabinetes do presidente Fernando Henrique Cardoso e de Ruy Coutinho. Na tarde de quarta-feira passada, foi feito o pedido para que o presidente abrisse espaço em sua agenda, no dia seguinte pela manhã, para receber os empresários. Deu mais do que certo. Eles teriam dez minutos para a conversa, mas o encontro prolongou-se por 45 minutos. “O Brasil precisa internacionalizar-se para não ser internacionalizado”, disse o presidente a Telles e De Marchi. A visita seguinte, ao secretário de Direito Econômico, foi mais formal. Ele simplesmente recebeu a comitiva e ouviu uma rápida exposição sobre a idéia da fusão.

Ô, tempo bão que não volta mais.

Pois é, a fusão foi feita, a AmBev vendida para os belgas da InBev, e agora, nos diz o Valor que…

AmBev fará da Bud a marca número 1 no país

Que se cuide a Skol. A cerveja mais vendida do país – a cada dez garrafas ou latas da bebida abertas, três são Skol – está com seus dias de líder contados. Com o negócio entre a belgo-brasileira InBev e a americana Anheuser-Busch fechado ontem à noite, a Budweiser deve ocupar seu lugar estratégico na AmBev (Companhia de Bebidas das Américas). A marca é uma verdadeira obsessão para os executivos da InBev, controladora da empresa brasileira.

“A Budweiser será trabalhada como marca mundial e virá para cá. Será a estrela do portfólio da AmBev, batendo de frente com a Skol”, diz Adalberto Viviani, da consultoria Concept, especializada no mercado de bebidas.

Legal, né? Agora o Joe Six Pack também é nosso!

Reportagem da Globo sobre “cloud computing“.

Falaremos mais sobre este negócio nos próximos dias. Quem quiser, acompanhe.

PS: ando tendo dificuldade em embeber vídeos do YouTube no blog; o que aparece é o código, e não o vídeo. Algum outro usuário WordPress está com o mesmo problema? Ou é alguma coisa entre o teclado e a poltrona? :)

***

PS: Meus sinceros agradecimentos ao comentarista Vinhal pela dica sobre como botar o vídeo do YouTube no blog.

outubro 2014
D S T Q Q S S
« jul    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
Add to Technorati Favorites

Blog Stats

  • 1,508,111 hits
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 27 outros seguidores