You are currently browsing the monthly archive for fevereiro 2009.

Paulo do FYI: endossa o pensamento do Partido das Idéiasdas breves alucinações:

I wonder

What do Democrats think when they read something like this:

From NBC’s Domenico Montanaro (Statements compiled by NBC’s Mike Viqueira, Kelly O’Donnell and Ken Strickland)

Reactions to President Obama’s Iraq withdrawal plan have been mostly universally praised by Republicans, but approached cautiously by some Democrats.”

So who is the crazy party here? The press? Republicans and Democrats? Or Obama himself?

Primeiro: é preciso avaliar isso em relação à alternativa.  A alternativa era um candidato republicano à presidência dos EUA que tencionava ficar no Iraque por mais 100 anos.  Ou não.

Segundo: Sai Karl Rove, entre Newt Gingich.  Sua estratégia?

In other words, Gingrich wasn’t suggesting to Cantor and the others that they should simply pretend to like Obama well enough. He was telling them that if Obama was going to move far enough in their direction, their best play – and maybe their only play – was actually to team up with him on legislation if they could.

“I already told the House and Senate Republicans, if Obama decides to govern from the center, you have to work with him,” Gingrich told me. “He’s the president of the United States. If the president of the United States walks in with a rational, moderate proposal which has his left wing up in arms and you don’t help him, you look like you’re a nihilistic party of reactionary opposition.” He pointed to the model of Lyndon Johnson and Sam Rayburn, the Democratic tandem in the Senate and House who worked amiably with Dwight Eisenhower and, in so doing, split the Republican Party for years to come.

“I don’t actually build oppositions,” Gingrich told me, as if this business of salvaging a lost party were something he undertook every couple of months. “I build the next governing majority. I have no interest in being an opposition party.”

Em nome da governabilidade?  Claro que não:

THIS WAS THE FIRST TIME I had heard any Republican leader describe this tactical approach, and it struck me as surprising. Like most everyone else, I had assumed that Republicans were confronting a single, difficult question: How do you contrast yourself favorably with a wildly popular new president at a time of great urgency when you yourself are about as popular as acne? (In a poll conducted by the firm Research 2000 last month, Boehner’s approval rating hit a new low of 18 percent.) But Cantor was suggesting that Republicans might not need to contrast themselves with Obama at all – that, in fact, by appearing to share Obama’s basically moderate impulse toward policy, they could instead contrast themselves with Nancy Pelosi and Harry Reid, with an eye toward picking up some seats in 2010. In the weeks after my meeting with Cantor, Congressional Democrats began to discern the outlines of this strategy as well, complaining that Republicans were trying to drive a wedge between them and Obama by appearing to embrace the president while criticizing the ideological rigidity of his party.” [grifo meu]

Portanto, o tom do Partido Republicano, da blogoseira wingnut e da imprensa nos próximos meses será justamente esse: vejam, os republicanos concordam com Obama, mas os democratas não.  Logo, Obama é um presidente republicano.  Objetivo real: usar a popularidade de Obama contra o Partido Democrata e reduzir ou eliminar sua maioria congressual nas próximas eleições, preparando o terreno para as eleições presidenciais de 2012.

Essa estratégia não parece estar fazendo sucesso entre  os foot soldiers, porém _ e nem precisamos apelar para o segmento borderline do conservadorismo.  Sintetizemos essa reação na conclusão deste artigo de Clive Crook no Financial Times, intitulado, com algum sarcasmo, “Was that liberal enough to you?“:

“(…) unless and until he [Obama] adjusts the message of this budget, Obama’s claim to be centrist and pragmatic looks false. On the stimulus, he successfully characterised the Republicans as unconstructive doctrinaire rejectionists and himself as the pragmatic bipartisan leader. It wouldn’t have taken much in this budget to build on that success: on taxes, confining himself to reversing the Bush tax cuts, as he promised in the campaign, might have been enough. The surprise of the extra $30 billion a year in capped deductions was enough to make “redistribution” the big story. Time will tell if that was a mistake.

Esse faz de conta de que Obama é um criptorepublicano não pode mais ser mantido depois do orçamento, sorry.

Ainda no discurso de Bobby Jindal:

Today in Washington, some are promising that government will rescue us from the economic storms raging all around us. Those of us who lived through Hurricane Katrina, we have our doubts.

Como sabem, durante toda a crise do Katrina o prato de resistência republicano foi o de que os responsáveis pela resposta à crise deveriam ser as autoridades locais, e não o governo federal em Washington. Não deixa de ser curioso que de repente Washington apareça como o grande vilão do Katrina, pela boca do governador republicano da Louisiana…

O homem é uma peça. Jindal-Palin 2012! Pleeeease… :)

No Balkinization, a última receita para salvar o jornalismo investigativo:

It will take decades to revitalise investigative journalism if we allow the present corps of reporters to disintegrate. This is happening at an alarming rate. A Pew study indicates that 15,000 journalists lost their jobs in the US in 2008, with reductions of more than 20% at large newspapers. These grim numbers are harbingers of a worldwide crisis that undermines the very foundation of liberal democracy. Any serious solution should focus exclusively on this problem – the collapse of investigative journalism, not the fate of particular delivery systems.

The problem with a BBC-style solution is clear enough. It is one thing for government to serve as one source of investigation but quite another for it to dominate the field. A near-monopoly would mean the death of critical inquiry.

There are serious problems with private endowments as well. For starters, there is the matter of scale. Pro Publica, an innovative private foundation for investigative reporting, is currently funding 28 journalists. It is hard to make the case for a massive increase in private funding when university endowments are crashing throughout the world, imperilling basic research. More fundamentally, a system of private endowments creates perverse incentives. Insulated from the profit motive, the endowments will pursue their own agendas without paying much attention to the issues that the public really cares about.

Here is where our system of national endowments enters the argument. In contrast to current proposals, we do not rely on public or private do-gooders to dole out money to their favourite journalists. Each national endowment would subsidise investigations on a strict mathematical formula based on the number of citizens who actually read their reports on news sites.

***

Tenho minhas dúvidas.

cmush

Quem precisa do Irã, quando se tem Bobby Jindal?

Lembram-se de Bobby Jindal?

Muita gente por aí andou celebrando o rapaz como o The One republicano, quando ele foi eleito para governador da Louisiana:

Yes, folks, he is a Republican that was serving as a member of the United States House of Representatives, representing Louisiana’s 1st congressional district, who will be replacing a bleeding heart Democrat in a state that just went through the biggest natural tragedy in American history.

Pois é.  Que bom que a Louisiana não tem vulcões:

[o pacote de estímulo] includes $300 million to buy new cars for the government, $8 billion for high-speed rail projects, such as a ‘magnetic levitation’ line from Las Vegas to Disneyland, and $140 million for something called ‘volcano monitoring.’ Instead of monitoring volcanoes, what Congress should be monitoring is the eruption of spending in Washington, DC.“” [grifo meu]

Isso foi, tecnicamente, uma “resposta” de Jindal ao discurso do State of the Union do Obama.  Felizmente, pessoas de mais bom senso usaram o NIMBY-reverso para amansar o louco _ como por exemplo o prefeito de uma cidadezinha que vive à sombra do Mt. Saint Helen:

Does the governor have a volcano in his backyard?” Royce Pollard, the mayor of Vancouver, Washington, said on Wednesday. “We have one that’s very active, and it still rumbles and spits and coughs very frequently.”

A boa notícia, dada pelo Serviço Geológico norte-americano, é que aproximandamente 10% de todas as erupções vulcânicas ocorridas nos últimos 10.000 anos aconteceram…nos Estados Unidos da América.

Depois disso eu só tenho a dizer o seguinte: Idelber, sai daí enquanto é tempo, rapaz!

Nevermore.

cwb009

Matéria na Economist sobre a possibilidade de um colapso logístico no caso de uma falência das grandes montadoras americanas:

Although the suppliers are heavily exposed to the difficulties of the Detroit Three, most of them also sell parts to the Asian and European manufacturers in America (see table). Given the extreme interdependency of the supply chain and the degree of specialisation within it, the failure of even one or two small firms can lead to stoppages on vehicle-assembly lines.”

Motivo: muitos dos intermediários da cadeia de valor iriam à falência também, mas por sua vez eles também são fornecedores de outras cadeias de suprimento de outras montadoras internacionais.  É o “risco sistêmico da manufatura”, por assim dizer.   Ou “a vingança do just-in-time”…

se-eu-fosse-vc-2

Parava de falar do que não entendo

O Pedro 7 ataca de novo _ mas pelo menos dessa vez ele não fala de mulher.

Ele fala de cinema, o que é quase tão constrangedor:

A CULTURA NÃO PRECISA DE MINISTRO ETC

Trecho de uma pequena palestra de Leopoldo Serran em 1986 (vejam bem: 1986):

“O hábito da passividade vem aos poucos atingindo a todos, inclusive aos artistas, e nós tivemos um bom exemplo disso quando foi criado o “Ministério da Cultura”. Como não podemos ou sabemos resolver nossos problemas, copiamos as soluções externas americanas ou francesas. E da França, normalmente o que ela tem de mais “pedante”, como o “cinema d’auteur”, a “Academia de Letras” e o “Ministério da Cultura”. Sobre o último, Jean Paul Sartre falou claramente: “A cultura não precisa de ministro”. Se é verdade que nenhum artista aceitou ocupar este posto, nenhum também chegou a contestá-lo, isto é, a cumplicidade com o poder e o dinheiro público vivida durante a ditadura, ensinou-nos a ficar “em cima do muro”. Assistimos em silêncio e nada foi dito.”

E o Pedro continua:

E eu posso complementar com o seguinte: generalizando mesmo, um problema sério do Brasil é o excesso de incentivos para a imoralidade. Óbvio que não estou falando de libertinagem sexual. Estou falando do tamanho do governo mesmo. Onde há burocracia, há propinas. Onde há excesso de leis, há excesso de gente burlando as leis. Onde há a possibilidade de pertencer a uma elite burocrática com emprego estável e regalias (em comparação com o setor privado), há o incentivo para que os mais educados (aqueles que têm o mais forte sentido de entitlement, de que têm direito a privilégios que os distingam da massa proletária ignara) convenientemente ignorem que sua renda vem do blood money arrancado do povo. Onde o Estado administra tudo, as pessoas acham que justiça é obter algum privilégio às custas de alguém já que é impossível não ser roubado para dar privilégios a outros.

A citação é interessante, mas o mais interessante ainda é sua descontextualização pelo Pedro 7, esse peralta.  Pois o artigo do Serran ostenta o seguinte trecho, também:

Sem a ajuda do Estado, a produção nacional não pode se sustentar.

Na verdade, o artigo do Serran está longe de ser apenas uma diatribe anti-Estado como faz parecer o Pedro 7.  Serran era um roteirista, e seu artigo versa sobre a fragilidade do roteiro na produção cinematográfica contemporânea à época em que ele escreveu _ o ano da graça de 1986.

Este outro trecho da fala do Serran é interessante:

Quanto ao cinema, foi sob os auspícios da “ideologia desenvolvimentista” do final dos anos 50, que a classe media começou a “falar com voz própria” – mediante influências estrangeiras. O “cinema de autor” foi uma importação francesa – cujo principal teórico era o cineasta François Truffaut – e trouxe conseqüências desastrosas para o trabalho específico do roteirista. De repente, no Brasil, todo mundo virou autor e o roteiro perdeu sua função.
Ao se estabelecerem os governos militares, o dinheiro particular que financiava o cinema desapareceu; e nós caímos na dependência da verba pública. Grupos de pressão se formaram, fortaleceu-se o cinema de autor e o roteiro continuou relegado. Mas para se saber o porquê do vazio do roteiro, há que se definir quem são os produtores e como eles foram formados na transação com o poder público. São dois os principais aspectos: o primeiro é que o dinheiro público não tem dono e passou a não ser importante o sucesso ou o fracasso de um filme para o produtor (há os que dizem que o dinheiro se ganha antes do filme e não depois).

Tenho a impressão que o Serran e o Rafael Galvão virariam bons amigos se tivessem se conhecido.  :)

De qualquer maneria o discurso do Serran procura identificar porque motivo o roteiro continuou desimportante.  E é uma boa sacada porque sem um bom roteiro não há como transformar o cinema em indústria.  O Ministério da Cultura, reconhecendo isso, começou desde 2003 a botar na rua editais de apoio ao desenvolvimento de roteiros.  Já é um passo, embora eu ignore se o programa tem dado resultado.  De qualquer forma eu acho que a coisa seria mais eficiente se fosse trabalhada já dentro das faculdades de cinema.

O que é complicado no discurso do Pedro 7 é o fato dele ignorar totalmente as condições reais em que se dá a disputa pelo mercado no Brasil.  O cinemão das majors chega aqui com seus filmes já completa, ou parcialmente, amortizados pela sua performance no mercado local.  Isso significa que fora os custos de publicidade ele se incorre praticamente nos custos das cópias.   Já o cinema nacional tem que se pagar no mercado brasileiro, uma tarefa hercúlea.

Portanto, QUALQUER país fora os EUA tem mesmo que começar a se virar com verba pública.  O fato de que muitos filmes não dão resultado é preocupante mas não é em si uma anomalia: os produtores americanos também trabalham com o conceito de portfolio, pois sabem que “nobody knows“: apesar dos investimentos em roteiro, elenco, efeitos especiais etc., há um número de filmes que viram bombas, e vão direto para o mercado de TV.

O problema do Brasil, portanto, é formação de massa crítica, além é claro do nosso raquítico sistema exibidor que praticamente inviabiliza o break-even de um filme.

E, no entanto

A sequência “Se Eu Fosse Você 2″ bateu novo recorde ao alcançar renda de R$ 39,2 milhões em 37 dias em cartaz nos cinemas do país. O filme foi visto por 4,7 milhões de espectadores.

O longa se tornou a maior renda do cinema brasileiro desde a retomada da produção nacional, em 1995.

O número anterior era de “Dois Filhos de Francisco”, que fez R$ 36,7 milhões e teve 5,3 milhões de público.

Dirigido por Daniel Filho, “Se Eu Fosse Você 2″ acumula recordes. Foi o filme com melhor abertura em 14 anos –no fim de semana de estreia 570 mil pessoas assistiram ao filme.”

***

O Pedro entende bastante de literatura e poesia mas, como já mostrei anteriormente, gosta muito de falar sobre o que não entende.  É uma pena, porque é um desperdício de vantagens comparativas.

Em uma matéria do David Leonhardt no NYT  sobre reforma do sistema de saúde americano, deparei-me com o seguinte parágrafo:

When over the past 60 years did the American economy grow fastest? The 1950s and 1960s, when the top marginal tax rate was a now-unthinkable 90 percent. And when over the past generation did the economy grow fastest? The late 1990s, when President Bill Clinton briefly took federal taxes to 20 percent of the G.D.P.”

***

Pois é.

3921_kp7029

Suíça e cucos: tudo a ver

Deu no Valor:

Sem o segredo bancário, o mercado financeiro suíço perde importância

A praça financeira suíça, uma das maiores do mundo, será reduzida pela metade se a Europa e os Estados Unidos conseguirem desmantelar o segredo bancário helvético. A afirmação é de Ivan Pictet, um dos principais banqueiros privados suíços, em meio à tensão generalizada na praça financeira do país depois que o UBS fez o segredo bancário cambalear ao entregar os nomes de 250 clientes americanos ao fisco dos EUA. 

O valor na bolsa dos bancos de gestão de fortuna suíça caíram de 10% a 15% desde a semana passada, após o Ministério da Justiça dos EUA ter publicado um relatório devastador detalhando os métodos do UBS para ajudar clientes americanos a fraudar o fisco.

A Suíça é provavelmente o único país no mundo que faz distinção entre evasão fiscal (que não considera crime) e fraude fiscal. Sem essa distinção, que significaria não acolher mais legalmente o dinheiro de evasão fiscal de todas as partes do mundo, o banqueiro Pictet diz que o setor financeiro suíço passaria para algo entre 6% e 7% do PIB, comparado a 12% hoje. Segundo ele, o prejuízo seria enorme, porque 140 bancos estrangeiros sediados em Genebra não teriam mais razão de continuar na cidade, já que oferecem sobretudo o segredo bancário suíço. A especialização suíça de gestão de fortuna seria insuficiente para compensar a perda da dita proteção, disse Pictet em entrevista ao jornal “Le Temps”, de Genebra.” [grifo meu]

***

Como se vê, o país é até xenofílico…

Fui ler o post do Vinhal sobre o Twitter e ele inadvertidamente me fez os seguintes “favores”:

a) Permitir que minha primeira experiência com o Twitter fosse a de ler o do Vitor Fasano;

b) Descobrir, via Tiago Dória, que os microcontos voltaram.

***

Ah, microcontos

No Not Tupy, um post sobre o funk carioca. Cultura musical é um dos meus pontos cegos.  Genericamente, não gosto do funk carioca (mas nunca escutei muito para saber se eventualmente existe alguma coisa que eu gostaria; na verdade, gostei da trilha sonora de Tropa de Elite, mas essa apreciação vem colada ao produto que a música embala _ não poria o ratatá-tatatá-tatatá-tatatá para tocar numa tardinha relaxante aqui em casa, por exemplo).   Genericamente, também me incomoda a atitude nariz-pra-cima de uma elite (real ou fictícia) que prefere criticar qualquer manifestação da ralé, porque, que diabos, o problema é a ralé, portanto tudo que a ralé faça é ruim, feio, e censurável. Mas, como já disse, sou uma nulidade musical e não vou entrar em uma discussão que não me pertence.  O que me incomodou mesmo no post foi esse parágrafo aqui, meio perdido na argumentação, creio eu:

Críticos culturais conservadores, como Theodore Dalrymple, lembram-se que mesmo a ciência exige tradição para funcionar: que outra coisa se não a tradição é o que a universidade está ensinando? Valoriza-se excessivamente a desconstrução e a superação, sem se lembrar que o próprio inovador só pode fazer isso a partir de uma linhagem na qual se insere – se Einstein não conhecesse os problemas tratados ao longo de séculos por outros cientistas, se não tivesse milênios de matemática a suportá-lo, se, em outras palavras, não estivesse inserido na tradição da Física, jamais poderia ter contestado Newton.

Qualquer dia desses parece que a mera passagem dos anos de forma ordenada já vai ser celebrada como uma vitória conservadora, como se na cadeia de indução infinita dos anos que se sucedem apenas pela soma de um +1 ao anterior estivesse plantada a semente atemporal e estática da Tradição.  São mesmo uns eleatas.  Realmente, 2001 vem depois de 2000.  Já pensou que terrível seria se após 2000 tivéssemos, sei lá, 3517, ou pior, “THX1138″?  Aí sim a visão progressista do mundo estaria comprovada. É muito bacana ver um texto assim, pedindo a Einstein que dê o devido crédito aos seus antecessores.  Mas experimente dizer isso a Newton:

O problema com a física de Newton é que, quando um sujeito aceita uma tese autocontraditória como se fosse uma verdade definitiva, a contradição não percebida se refugia no inconsciente e danifica toda a inteligência lógica do infeliz. Newton não espalhou só o ateísmo pela cultura ocidental: espalhou o vírus de uma burrice formidável. Uma parcela da elite intelectual já se curou, mas a percepção da realidade pelas massas (incluindo a massa universitária de micro-intelectuais) continua doente de newtonismo. A quantidade de tolices que isso explica é tão infinita quanto o universo de Newton.”  (Olavo de Carvalho, “Nas Origens da Burrice Ocidental“).

Então, vamos fechar mais uma janela de Overton:  o problema do conservadorismo com o progresso não é que este último não dê o devido crédito à “sabedoria recebida”.  O problema do conservadorismo com o progresso é o fato dele existir.  Combinado?

wp_quant4_f

Na Wired.

No Guardian:

Police are preparing for a “summer of rage” as victims of the economic downturn take to the streets to demonstrate against financial institutions, the Guardian has learned.

Britain’s most senior police officer with responsibility for public order raised the spectre of a return of the riots of the 1980s, with people who have lost their jobs, homes or savings becoming “footsoldiers” in a wave of potentially violent mass protests.”

Como é?  A polícia se prepara para distúrbios só porque o desemprego está aumentando?  Poor things.  Tinham que tomar umas lições com Reinaldo Azevedo, aquela montanha de sabedoria, para quem condições sociais e crime são conjuntos disjuntos, não relacionados, e que jamais deveriam ser citados na mesma frase.  Como ele diz, afinal isso é uma afronta aos pobres submis honrados, que não querem ir para as milhares de cadeias que ele pretende abrir.

Ops.  E no Times Online, a polícia britânica continua insistindo nessa heresia:

The full effect of a recession can take a long time to be felt in crime and disorder terms. Unemployment peaked in 1985 but there was no downturn in crime figures until the mid1990s. In the meantime we experienced severe social shock and it was the Police Service that held the line.

Ah, que falta faz uma Tatcher.

633702202447297040

Se metade for verdade, já é assunto demais:

After the war, Voytek retired to the Edinburgh zoo, and the rest of his company settled in the area around him.They visited him frequently, tossing him cigarettes and beer over the fence, and occasionally jumping thebarricades to wrestle with him again. He lived to a relatively old age, eventually dying of natural causes, andI’m sure that he’s up there somewhere right now, drinking a case of whiskey, smoking a cigar, and eatingNazis in heaven.

Aqui.

Deu no G1:

Ivete diz que vira bicho quando está entre quatro paredes com o namorado

Ela disse que Daniel Cady a transforma em Dalila Leoa e mulher macaca.
Cantora disse que se sente gostosa, apesar das celulites que ela adquiriu em janeiro.

01837851400

Ivete Sangalo pede para os policiais a chamarem de gostosa. “Não é porque vocês estão trabalhando que vocês não podem olhar pra mim e me chamar de gostosa. Vai, fala bem baixinho: Gostosa, fala aí policial”, provocou a cantora no Farol da Barra. Ela pediu uma algema aos policials. “Me dê uma algema que eu faco uma bagunça” (Foto: Gilberto Silva/G1)

***

Insight súbito: será que Ivete está fadada a transformar-se na Derci Gonçalves do século XXI?

bb

Fight the future

Lembram-se do corte de 5.000 cargos na Microsoft?

Pois é. Por enquanto o gigante de Redmond já mandou embora 1.4oo empregados.  Como as boas notícias não param, esses 1.400 sortudos foram informados que devido a um probleminha no processamento das indenizações, eles terão que devolver parte da grana que levaram junto com o pé na bunda.

***

A pergunta que não quer calar: será que o software que criou o probleminha era feito em casa?

***

Pelo menos a MSFT já sabe o que pode fazer com esse dinheiro.

***

Ops! Voltaram atrás.  Nice PR…

Politico.com mostra uma lista dos dez mais famosos Twitterers de Washington DC.  Explicação:

But in Washington, the social networking and microblogging service is quickly becoming part of the daily media diet – and a powerful tool in the hands of those who are adept at making their points in 140 characters or fewer.”

Aí vão eles:

1. Karl Rove: http://www.twitter.com/karlrove

2. Sen. Claire McCaskill: http://www.twitter.com/clairecmc

3. David Gregory: http://www.twitter.com/davidgregory

4. Barack Obama: http://www.twitter.com/barackobama

5. Newt Gingrich: http://www.twitter.com/newtgingrich

6. Ana Marie Cox: http://www.twitter.com/anamariecox

7. Sen. Chuck Grassley: http://www.twitter.com/chuckgrassley

8. Joe Trippi: http://www.twitter.com/joetrippi

9. Patrick Ruffini: http://www.twitter.com/patrickruffini

10. Al Gore: http://www.twitter.com/algore

***

Agora:  quem seriam os 10 mais influentes Twitterers da política brasileira?  Antes disso:  algum político brasilero sabe o que é o Twitter?  Parece que não.

***

Claro, isso dá quizz.

6595-70

Um clássico de esquerda

Bem, depois que a wingnutolândia fez sua lista de melhores (sic) filmes conservadores, a blogoseira esquerdinha não ia deixar barato.  Eis, portanto, a lista dos melhores filmes (sic) progressistas, via Daily Kos:

The Daily Kos Top 25 Liberal Movies of the Last 25 Years

  1.  A Few Good Men (1992)
  1.  The American President (1995)
  1.  Saving Private Ryan (1998)
  1. Do the Right Thing (1989)
  1. Platoon (1986)
  1.  The Color Purple (1985)
  1.  Enron:  The Smartest Guys in the Room (2005)
  1. The Killing Fields (1984)
  1. Syriana (2005)
  1.  Brazil (1985)
  1.  Dead Poets Society (1989)
  1.  Thank You For Smoking (2005)
  1.  Wag the Dog (1997)
  1.  Erin Brockovich (2000)
  1.  Good Morning, Vietnam (1987)
  1.  Mississippi Burning (1988)
  1.  Milk (2008)
  1.  V for Vendetta (2005)
  1.  Roger and Me (1989)
  1.  Sicko (2007)
  1.  Bowling for Columbine (2002)
  1. Shawshank Redemption (1994)
  1.  Goodnight and Goodluck (2005)
  1.  Fahrenheit 9/11 (2004)
  1.  An Inconvenient Truth (2006)

 

***

Interessante que “Brazil” figure nas duas listas.  E a inclusão de “Os Gritos do Silêncio” deve dar um tremendo nó nas cabecinhas anaeróbicas.

Mas no geral, infelizmente, achei a lista de má qualidade.  Não dá pra concordar com uma lista que começa com “Uma Verdade Inconveniente” e tem dois filmes de Michael Moore entre os dez melhores.   Não tenho o menor problema com documentários engajados, eles são necessários, mas uma lista como essa tinha que ter mais valor artístico, creio eu.  Por exemplo, salta aos olhos a ausência de filmes estrangeiros não-britânicos.  Talvez isso seja explicável pelo fato de que a lista foi compilada através de um pool, e não segundo a opinião do autor do post.

***

Gostaria de chamar vossa atenção para este curioso site, “Big Hollywood“.  O que o distingue da usual cacofonia de sites sobre Hollywood é que este é um site sobre Hollywood com uma missão, já que se trata de um site conservador.  Seu editor chefe é John Nolte, cuja pequena biografia é a que se segue:

John Nolte is a screenwriter, director, and film writer. Before moving to Los Angeles in 2003 to pursue his interest in film, he spent seventeen years in Boone, North Carolina as a corporate bill collector. His interest in politics is lifelong. In 1996 he managed the campaign for a Wisconsin State Senate candidate (don’t be too impressed, they got shellacked) and for two years wrote a regular political column for two local North Carolina newspapers. 

For the last four years he’s blogged about film and politics under the pseudonym “Dirty Harry.” 

Depending on which day you ask him, John’s favorite film is either “The Searchers” or “Deuce Bigalow: Male Gigolo.

No IMDB, John Nolte aparece apenas devido a um único filme, chamado, talvez com alguma propriedade, “Beautiful Loser”, cujo plot (autobiográfico?) resume-se ao seguinte:

His parents named him Reginald Regineld. His friends call him “Ditto.” At the age of eleven he decided he wasn’t going to do anything with his life. And that was going pretty well until senior year when he saw Tracy. This wasn’t so much love at first sight as much as it was “completely-head-over-heels-gonna-get-her-at-any-price-even-if-I-make-a-complete-fool-of-myself” love at first sight. And it would burn for decades. Whether she loved him or not.

De fato acho que Freud tem muito a dizer sobre a mentalidade conservadora, não é?

***

Como não poderia deixar de ser, o resultado do Oscar não agradou muito à linha editorial do site.  Em especial, a escolha de Sean Penn como melhor ator por encarnar um gay deixou os rapazes em polvorosa, a ponto de gerar posts que começam da seguinte forma:

One of the most unfortunate events that deterred a healthy development of a motion picture industry is that its childhood tragically coincided with the childhood of Communism. The Soviet era of Communism was the first totalitarian regime that recognized the power of a moving image and used it fully to align masses with its party line. Not unlike the liberal-Democrat film and media machine that so disgracefully uses it today and by far exceeds the standards of tasteless social realism initiated by their Soviet forefathers.

E continuam assim:

Prayer used to be considered a powerful weapon against everything evil, in fact, the only secure weapon in this uncertain universe of ours. Prayer used to be the impregnable castle of our higher being, a castle where we could safely retreat from the injustice and vanity of the world. It used to be until 1960’s when the movie industry in the United States became fatally infected with the virus of Christ-hating Communist scum imported from the Soviet Union and Europe. The virus was injected in 30’s and took only three decades to fully destroy the immature and naive imaginative immunity of the American cinema.

That miserable demon Lenin said once, “Cinema is the most important among the arts” and this, in turn, became a mantra of Communist infiltrators who systematically invaded Hollywood in the 1930’s.Lenin’s atheist-demons demolished thousands of churches and hanged clergymen all over Russia. Within twenty years after the revolution, the Bolsheviks successfully removed everything sacred from the landscape of the religious Russian soul. Now it was time for America.”

Esse tipo de reconstrução da história é típica de gente cujo cérebro deixou de funcionar e foi colonizado por um meme especialmente virótico, sejam de direita, sejam de esquerda.  Bem, a Wikipedia diz o seguinte sobre as origens de Hollywood:

Filmmaking in the greater Los Angeles area preceded the establishment of filmmaking in Hollywood. The Biograph Company filmed the short film A Daring Hold-Up in Southern California in Los Angeles in 1906.[8] The first studio in the Los Angeles area was established by the Selig Polyscope Company in Edendale, with construction beginning in August 1909.[9]

In early 1910, director D. W. Griffith was sent by the Biograph Company to the west coast with his troupe, consisting of actors Blanche Sweet, Lillian Gish, Mary Pickford, Lionel Barrymore and others. They started filming on a vacant lot in downtown Los Angeles. The company decided to explore new territories and traveled five miles (8 km) north to the little village of Hollywood, which was friendly and enjoyed the movie company filming there. Griffith then filmed the first film ever shot in Hollywood called In Old California, a one-reel melodrama set in Mexican colonial-era California in the 1800s. The movie company stayed there for months and made several films before returning to New York.

The first studio in Hollywood was established by the New Jersey-based Centaur Co., which wanted to make westerns in California. They rented an unused roadhouse at 6121 Sunset Boulevard at the corner of Gower, and converted it into a movie studio in October 1911, calling it Nestor Studio after the name of the western branch of their company.[10] The first feature film made specifically in a Hollywood studio, in 1914, was The Squaw Man, directed by Cecil B. DeMille and Oscar Apfel[11], and was filmed at the Lasky-DeMille Barn amongst other area locations.

By 1915, the majority of American films were being produced in the Los Angeles area.[12]

Four major film companies – Paramount, Warner Bros., RKO and Columbia – had studios in Hollywood, as did several minor companies and rental studios.

Antes que venham me falar sobre a pouca credibilidade da Wikipedia (algo de que discordo, mas não vem ao caso), gostaria de observar que só a utilizei por comodidade.  Quem tiver tempo e dinheiro pode fazer o que eu já fiz há alguns anos, coçar o bolso e comprar um excelente livrinho chamado “The Big Picture“, uma excelente história da indústria do cinema nos EUA.  Lá, você, trolzinho amigo, poderá constatar facilmente que Hollywood foi criada quando empresários da costa leste que exploravam pequenas máquinas de exibição de fotogramas em movimento em troca de alguns níqueis, e que resolveram fazer seus próprios filmes a partir das terras baratas no longínquo Oeste americano.  Nos anos 30, a indústria do cinema norte-americana não era “imatura”, estava partindo para a dominância, que veio após a Segunda Guerra.

Na verdade, se houve algum tipo de influência premeditada que lançou mão da indústria do cinema, foi no sentido contrário:

“The easiest way to inject a propaganda idea into most people’s minds is to let it go through the medium of an entertainment picture when they do not realize that they are being propagandized”. Elmer Davis, Director, Office of War Information quoted in C.R. Koopes and G,D. Black, “What to Show the World: The OWI and Hollywood, 1942-45″ Journal of American History 64 (1977): 87-105.

“There has never been a more effective salesman for American products in foreign countries than the American motion picture.” Gerald M. Mayer, “American Motion Pictures in World Trade” Annals of the American Academy of Political and Social Sciences 254 (1947): 31-36.“”

Assim, fica claro que toda essa lenga-lenga do post no Big Hollywood é apenas mais uma aplicação da janela de Overton:  tentar caracterizar uma situação que já opera a seu favor como um cenário absolutamente contrário, e então forçar a opinão média ainda mais para a direita.  Ah, o preço da liberdade.

Melhor Filme
Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Diretor
Danny Boyle, de Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Ator
Sean Penn, de Milk – A Voz da Igualdade

Melhor Atriz
Kate Winslet, de O Leitor

Melhor Ator Coadjuvante
Heath Ledger, de Batman – O Cavaleiro das Trevas

Melhor Roteiro Original
Dustin Lance Black, de Milk – A Voz da Igualdade

Melhor Roteiro Adaptado
Simon Beaufoy, de Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Filme Estrangeiro
Departures, de Kundo Koyama

Melhor Animação
Wall-E, de Andrew Stanton

Melhor Fotografia
Anthony Dod Mantle, de Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Direção de Arte
O Curioso Caso de Benjamin Button

Melhor Figurino
A Duquesa

Melhor Som
Batman – O Cavaleiro das Trevas

Melhor Efeitos Sonoros
Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Montagem
Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Efeitos Visuais
O Curioso Caso de Benjamin Button

Melhor Maquiagem
O Curioso Caso de Benjamin Button

Melhor Trilha Sonora
Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Canção
Jai Ho, de Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Curtametragem (animação)
La Maison em Petits, de Kunio Kato

Melhor Curtametragem
Toyland, de Jochen Alexander

Melhor Curtametragem (documentário)
Smile Pinki

Melhor Documentário em Longametragem
O Equilibrista, de James Marsh

Bem impressionante. Gostaria de ver um destes.

Achei o vídeo nesta matéria da Wired.

Exame de vista…com incentivos.

Leia o resto deste post »

WTF?

jesus_obama

Essa é pro Paulo:

Obama beats out Jesus as America’s hero

ROCHESTER, N.Y. – Americans named President Obama as their No. 1 hero, followed by Jesus Christ and Martin Luther King, in a new Harris poll.

Others in the top 10, in descending order, were Ronald Reagan, George W. Bush, Abraham Lincoln, John McCain, John F. Kennedy, Chesley Sullenberger and Mother Teresa.

***

John McCain em sétimo?????????????

“The true measure of a man is how he treats someone who can do him absolutely no good.”

_ Samuel Johnson

Um comentário bastante pungente neste excelente post do Billmon no Daily Kos:

That’s some catch, that Catch 22.

The other relevant scene from the novel is when the old Italian man (108 years old) tells the 21-year old Lt. that the secret to a long and happy life is to surrender, not fight.

To bend.

To not get in uniform, not get in line, not march with the masses, not stand in the ranks, not espouse the public goal.

To live instead like a knife cutting through water, leaving no trace of yourself while simply being yourself. The young Lt. may not see the next sunset, while the old man has lived the one day given to him, day by day, for 108 years.

Most people can’t do it. Human beings live in stories, in myths about nationhood, heritage, generational accomplishments, ethnicity, in sports teams if nothing else. Most of us are eager to stand up and be a part of history, to fight for truth, justice, and a sacred cause larger than our life, to make our mark in this world, to make a difference, to be somebody, to do some thing.

When the only thing you can ever possibly have any control over is yourself, inside your own skin.

Ozymandias in the end was just a man. Though he reportedly shook the heavens and the earth, no trace of it remains. What he took to eternity was who he was, not what he did. Not the slightest speck of any mountain he moved, not the smallest coin nor thread of cloth went along with him to wherever he went.

None of those things were taken. None of those things remain.

It’s hard to leave off the story, the country, the cause that appeals to you, and to care nothing about all that.

In the eight years of daily heartbreak of the Bush years now past, I went from grieving for my lost America, to a white hot rage to rescue it, to a determination to change it, to a cold examination of its core deceits.

And there has been a divorce. I’ve no respect or regard remaining for America’s story, for its birth or history, for its government, its leaders, its various wars, or for its aims around the world today. It is not my story or my country even though I live here.

Like the majority of Americans, much has been taken from me in these eight years, and as I watch the fledgling Obama Administration service the robber barons assiduously instead of the people I perceive that even more will be taken.

But I also perceive that these taken things are just things. Job, career, savings, property, pride, prospects, patriotism, optimism, health care, community, anger, shame, love of country. These things that I once thought moved heaven and Earth are gone now.

Like so many Americans, I am standing here in my skin, with no particular loyalty to the nation that robs me, that abuses me, that uses me and then sends along a bill for its services. I won’t be paying that bill, and they cannot collect it without taking my very skin, which I aim to keep.

Like so many Americans, I am ‘paddling to Sweden’ as Orr did in the novel — I am getting up every morning and doing what is sane and effective to escape a mad and maddening situation, to escape with my skin. My bank is a mattress, my income is barter and black market, my taxes are nought. My interest in the blogs, news, and headlines is to dodge what’s coming next, not to fight it, espouse it, worry about it, or live in it.

The oligarchs atop our nation do not grasp how very many Americans don’t live in America any longer even though we live right here. How very many of us see that the Dream was only ever possible for 10% of us, and that those 10% have got theirs but good, and have no further concern for the rest of us, or for other nations, or for the planet.

They’ve virtually left the country. So have we. Catch 22 — no one lives in America any longer. Some live above it, while most live below it. The Dream is increasingly unoccupied.

The 10% of wealthy Villagers atop America will happily leave the rest of us shivering in our skins, if it keeps them living in their story. In their country. The country they won, that they stole fair and square so they can live happily ever after.

Or until we come for them.

aaz

Criança palestina morta em bombardeio israelense

Troféu “Rasgando a Fantasia 2009″:  Paulo do FYI

There is even a point to be made that shooting someone is not as barbaric as cutting that person’s head off (…)

***

Aí vai meu julgamento:

QUESITO BATERIA

Não tenho dúvidas.  Pela cadência regular em que Paulo dispara barbaridades, é 10, nota 10!

QUESITO SAMBA-ENREDO

Aí a coisa já desanda, porque o Paulo só manda um samba de uma nota só.  Zero.

QUESITO HARMONIA

Em perfeita harmonia com o wingnutismo da deep America.  Nota dez.

QUESITO EVOLUÇÃO

Paulo sempre fica em cima do muro nessas coisas.  Suspeito que seja um criptocriacionista.  Zero.

QUESITO ENREDO

O enredo do Paulo é monótono, mas não se pode acusá-lo de inconsistência.  Por outro lado falta criatividade, malemolência e ziriguidum.  Cinco.

QUESITO CONJUNTO

Hoje em dia Paulo consegue atrair alguns dos piores comentadores da blogoseira brasileira (com algumas honrosas exceções).  Zéééro.

QUESITO ALEGORIAS E ADEREÇOS

Paulo em geral não consegue distinguir um argumento de uma ironia, que dizer de uma alegoria.  Trata-se do reino do concreto.  3, e olhe lá.

QUESITO FANTASIAS

Em matéria de fantasia, estamos falando de um mestre.  Paulo vive em um mundo de fantasia, na verdade.  Nota 10!

***

Apesar de alguns zeros, o FYI manda bem e vai continuar na pole-position dos desfiles anaeróbicos.  :)

htc-magic-android-g2

Da Convergência Digital:

TIM e Huawei trazem Android para o Brasil

A Huawei Technologies e a TIM Brasil anunciaram nesta sexta-feira, 20/02, um acordo para trazer o Android, plataforma do Google, para o Brasil. É a primeira iniciativa na área no país, desde que a solução foi lançada, comercialmente, no ano passado, como forma de ‘rivalizar’ com o grande sucesso do iPhone, da Apple. A aliança também marcará a entrada da fabricante chinesa no mercado de smartphones 3G no país.

A Huawei anunciou sua entrada no Open Handset Alliance em dezembro do ano passado. A organização é formada por empresas que desenvolvem soluções e equipamentos em plataforma aberta, com o sistema operacional Android, onde é possível ampliar o leque de aplicações e serviços a serem ofertados para os assinantes da telefonia móvel.

No Mobile World Congress, evento realizado esta semana, em Barcelona, na Espanha, a fabricante chinesa apresentou os seus primeiros terminais com o sistema operacional Android. A previsão é ter o produto disponível para venda ainda em 2009.

Para o mercado nacional, segundo a Huawei, já há um grupo de especialistas da fabricante e da TIM Brasil trabalhando para o desenvolvimento das aplicações. Não há ainda informações sobre o lançamento do terminal no país tampouco o custo final dele para o assinante da operadora.

***

O bichinho parece ter agradado lá no Mobile World Congress.  Specs ici. Fotos do bicho na mão aqui.

_288213_rushmore300

E não é que eu descubro que no longínquo ano de 1999 houve uma proposta legislativa no congresso dos EUA para esculpir mais uma cabeça no Monte Rushmore?  E adivinhem de quem:

The four famous faces of Mount Rushmore could be joined by a fifth under a plan to add former president Ronald Reagan to the giant sculpture.

Supporters say the man who dominated American and global politics in the eighties deserves to take his place alongside the presidents who shaped the United States.” [grifo meu]

OK.  Parece que em outras épocas já tentaram colocar lá o Kennedy e Elvis Presley.  O que me leva ao Quizz:

Nesta sexta, faliu o décimo-quarto banco norte-americano em 2009.

Tombos dos grandes bancos dos EUA hoje:

Bank of America -18%

Citibank -22%

Wells Fargo -18%

A Casa Branca ainda nega a estatização pré-privatização.

***

Tenho a impressão que algo além das passistas vai sambar neste carnaval.

Declarações da nova czarina do antitruste de Obama, Christine Varney, que chefiará a divisão antitruste do Departamento de Justiça:

For me, Microsoft is so last century. They are not the problem,” Varney said at a June 19 panel discussion sponsored by the American Antitrust Institute. The U.S. economy will “continually see a problem — potentially with Google” because it already “has acquired a monopoly in Internet online advertising.”

Wow!

solar-power-satellite-580x326

Os mais velhinhos como eu se lembrarão que aí pelo fim da década de 70, início dos 80, jornais e revistas de divulgação científica se encheram de concepções artísticas de sistemas orbitais de coletores solares que enviariam energia abundante e barata para a Terra via emissões de microondas.  Pois via Slashdot fico sabendo que ressuscitaram a coisa, agora sob o pomposo nome “Space Based Solar Power“, SBSP:

Is space-based solar power (SBSP) a technology whose time has come? The concept and even some of the hardware for harnessing energy from the sun with orbiting solar arrays has been around for some time. But the biggest challenge for making the concept a reality, says entrepreneur Peter Sage of Space Energy, Inc., is that SBSP has never been commercially viable. But that could be changing. Space Energy, Inc. has assembled an impressive team of scientists, engineers and business people, putting together what Sage calls “a rock-solid commercial platform” for their company. And given the current looming issues of growing energy needs and climate change, Space Energy, Inc. could be in the right place at the right time.”

Minha impressão é que esse treco não sobrevive a um RIMA, que dizer à realidade.

Sempre achei estranho o fato de que logo após essa “explosão” de publicidade sobre esse tipo de estrutura espacial, veio a onda sobre o sistema “Star Wars” proposto por Reagan _ a “Strategic Defense Initiative“, um sistema espacial de lasers de alta potência projetado para destruir mísseis nucleares que fossem disparados contra os EUA.  Aposto algumas fichas que esses fatos têm alguma ligação, embora eu não saiba qual.

O Valor de hoje tem uma matéria imensa sobre “o futuro do New York Times”, com ênfase nas dificuldades porque passa o jornal.  Trecho:

O balanço da The New York Times Company de 2008 é uma leitura deprimente, escrita com letras vermelhas. A receita, de US$ 2,95 bilhões, foi 7,7% inferior à do ano anterior e próxima à de US$ 2,94 bilhões de 1998, uma indicação de que a companhia não conseguiu crescer durante uma década. Em um ano, a receita com publicidade encolheu 13,1% e em dois anos, 19,5%; no último trimestre, com a acentuada deterioração da economia, a queda foi de 17,6%. 

A conta de resultados é ainda mais dramática. Frente a um lucro de US$ 208,7 milhões em 2007, conseguido principalmente com a venda de ativos, a empresa teve no ano passado um prejuízo de US$ 57,8 milhões, devido à reavaliação negativa – isto é, sem desembolso de caixa – de negócios deficitários ou pouco rentáveis comprados nos anos de prosperidade. As atividades operacionais da empresa, em si, foram ligeiramente rentáveis, dado o esforço para reduzir os custos, mas insuficientes para compensar as perdas contábeis.

Essa é a situação econômica. O panorama financeiro é ainda pior. A empresa tem uma dívida de US$ 1,1 bilhão, dos quais uma linha de crédito de US$ 400 milhões vence em maio, uma de US$ 99 milhões em novembro e outra de US$ 250 milhões em 2010. O dinheiro disponível em caixa era de apenas US$ 42 milhões e os bancos não parecem muito dispostos a abrir novas linhas de financiamento. Pela avaliação das agências avaliadoras de crédito, a dívida da empresa está classificada quase como “junk” – ou seja, como lixo.

This is frightening:

Chegou a revolução

O que está ocorrendo é uma profunda revolução provocada pela internet e acelerada pela contínua expansão da banda larga, com efeitos de longo prazo semelhantes aos da introdução da imprensa por Gutenberg, no século XV. A revolução atual está afetando todos os meios – revistas, rádio, TV -, e não apenas os jornais, e também as maneiras de comunicação entre as pessoas. Ainda é cedo para fazer qualquer afirmação categórica sobre os efeitos das mudanças que a internet e a banda larga estão provocando. Mas pode afirmar-se que todos os meios sairão desse processo muito diferentes do que eram 15 anos atrás.
Para os jornais, a internet representou inicialmente um extraordinário meio de transmissão de seu conteúdo. Suas informações e análises podiam chegar instantaneamente muito além do limitado raio permitido pela distribuição física da edição impressa. Conseguiram um grande aumento do número de leitores e de influência. Hoje, os grandes jornais têm vários milhões de usuários únicos – o nome aos leitores na internet -, igualando ou superando em penetração muitas emissoras de televisão.
Mas cometeram o grave erro – um verdadeiro pecado original – de oferecer grátis seu conteúdo. Como recentemente disse Steve Brill, um empresário que lançou nos EUA vários meios de comunicação, ele pagava algumas centenas de dólares por ano para receber em sua casa de Nova York a seção “Style” do “The Washington Post”. “Então, Donnie Graham – presidente e principal acionista do ‘Post’ – decidiu que eu precisava de um subsídio. Agora me mandam a seção ‘Style’ grátis por e-mail.” E comentou: “Isso é uma loucura.” A imprensa, em sua opinião, está se autodestruindo e tem que parar de se suicidar dando informação de graça. “Comecem a cobrar e a acreditar em seu produto”, disse, acrescentando que os editores de jornais têm que recuperar sua autoestima
.”

Mais frightening ainda:

Keller sugere que o “Times” vai encontrar uma maneira de obter receita com o conteúdo na internet. Disse não acreditar num princípio teológico segundo o qual a informação “tem que ser grátis”; a informação de alto nível tem que ser paga. Quem paga, hoje, são os anunciantes, mas afirma que o jornal está discutindo as maneiras de fazer que o leitor também pague. E aponta como exemplo a decisão de Rupert Murdoch de continuar cobrando pelo acesso ao conteúdo do “The Wall Street Journal”. Keller, porém, acha que o sítio do “Times” gera mais receita que o do “Journal”. E confirma que o “Times” estuda seriamente a possibilidade de introduzir o sistema de micropagamentos, como fazem Apple e iTunes.

Um mundo com um NYT pago será um mundo mais triste, mas um mundo sem um NYT será pior ainda.

Eu QUASE havia feito um post sobre isso aqui (ando muito lento _ eu também QUASE havia feito um post sobre um contrapé do Tio Rei que Sergio Leo captou de forma magistral), uma matéria sobre o NYT na The Atlantic, onde o autor, Michael Hirschorn, advoga o uso de um sistema de micropagamentos para salvar o jornalão.  Nick Carr faz uma discussão mostrando os dois lados da questão _ tanto a dos entusiastas dos micropagamentos (“afinal, funciona com o iTunes!“) como a dos céticos ou simplesmente contrários (“a informação quer ser livre!“).

Jornais vivem basicamente de 3 fontes de renda: compradores a vulso nas bancas, assinantes e anunciantes.   Jornais como o NYT (principalmente os que têm na sua base um público que tem acesso a internet) sacrificam as duas primeiras fontes quando disponibilizam conteúdo grátis na rede, e se resignam a viver da receita de publicidade _ o que é um perigo nas épocas de vacas magras como agora.

A diversidade de opiniões sobre o que fazer é grande.  David Carr, citado por Nick, parece acreditar em uma solução à la Apple: uma empresa cria um gadget que repentinamente convence os usuários a pagar por conteúdo, revertendo uma situação de pirataria extremada.  O paralelo é meio capenga, em minha opinião, porque a) os usuários continuam pirateando (“Invaders Must Die” do Prodigy será lançado dia 23 deste mês mas já está na rede) e b) a “pirataria” de conteúdo jornalístico existe (aham…), mas não é significativa e nem o maior problema dos jornais que resolveram eles mesmos disponibilizar seu conteúdo online, como é o caso do NYT e vários outros.  Já Walter Isaacson enumera várias estratégias diferentes, como a do Christian Science Monitor que simplesmente acabou com sua edição em papel (a “dead trees edition“…), ou a, er, “estratégia” que parece ser a do próprio NYT que é a de esperar que os outros jornais morram primeiro para capturar seu market-share.

[Parêntesis: Nesse particular é muito interessante a experiência do Meia Hora, um jornal popular carioca pertencente ao grupo O Dia e que já é o terceiro jornal mais vendido no Rio (tiragem de 230 mil exemplares diários).  Vejam só esse trecho da matéria que saiu na Piauí:

A sede do tablóide, que divide o andar de um prédio no bairro da Lapa com a redação de O Dia, tem paredes amarelas encobertas por um emaranhado de cartazes, cartas, capas, papéis, fotos e recortes de reportagens. Vê-se um pôster do filme Sexo no Salão 2007 – com uma loira seminua em meio a uma chuva de purpurina -, a foto-flagra de um repórter da casa beijando o derrière da ex-chacrete Rita Cadillac e outra que mostra em primeiro plano a face alegre de um ex-Big Brother. “A toda equipe do Meia Hora, com beijão carinhoso do Tinho”, dizia a dedicatória em caligrafia infantil.

(…)

A equipe do Meia Hora tem vinte jornalistas, na faixa dos 25 anos, que andam em trajes esportivos e usam tênis. Eles trabalham mais como redatores do que como repórteres. As matérias são feitas pela equipe de O Dia e enviadas à redação-irmã para que sejam reescritas e resumidas a, no máximo, cinco parágrafos. No começo de dezembro, a mesma reportagem que apareceu em O Dia como “São Cristóvão: funcionário da feira suspeito de assaltos”, no Meia Hora virou “Bandidos tocavam o terror em São Cristóvão”. ” [grifo meu]

É um nicho aproveitando economia de escopo: a equipe do jornal-mãe faz a reportagem e a equipe do Meia Hora “reempacota” o conteúdo para um outro público _ que paga pouco, mas pelo menos paga, porque não tem acesso à internet…é claro que não é uma estratégia facilmente replicável ou sustentável em longo prazo, mas é bem interessante].

Voltando ao Nick Carr, acho que ele tem um argumento bem imaginativo sobre porque motivo micropagamentos não funcionariam para notícias: porque, ao contrário de músicas, notícias são bens perecíveis.

Aqui eu tenho minhas dúvidas.  Eu acredito que a esmagadora maioria das pessoas que compra música na iTunes usa música de forma descartável.  Outro dia, por exemplo, vi um blogueiro sugerindo uma banda chamada “Weekend Vampires”.  Não há descrição da banda nem na Wikipedia nem na Last.fm.  “Vampire Weekend”.  Sua descrição no Last.fm: “Vampire Weekend é uma banda indie pop/rock com influências de afro-beat”.  Igual a centenas de outras.  Bandas hoje são descartáveis, sua música também.   

Outro argumento de Nick é o de que a música é fungível, no sentido de que eu quero ouvir a música X, não a música Y.  É meio estranho, eu acho, dizer então que a notícia Y substituiria a notícia X; é o que Nick sugere, embora de forma mais sutil (a de que o fato em si estaria reportado em outro meio qualquer de qualquer forma, o que não é exatamente verdade se os micropagamentos se espalhassem).

Já o outro argumento de Nick tem mais substância: ele diz que o ethos de gratuidade se perpetua, hoje, apenas porque com a internet repentinamente a oferta tornou-se muito maior que a demanda.  Se eu morando em Brasília só poderia ter acesso aos dois jornais locais, alguns nacionais (três ou quatro) e alguns internacionais (sempre com defasagem), hoje posso ver os jornais de qualquer lugar do mundo a um toque de teclas.  O que ele acha é que o ajuste se dará pela oferta: muitos jornais, revistas e opções de informação vão sumir.

Para defender esse argumento Nick, é claro, tem que se contrapor ao pessoal que diz que pelo contrário, a internet reduziu as barreiras à entrada no setor de informação.  Eis porque eu e milhões de outros blogueiros estamos aqui informando nosso honorável público.  Nick contra-ataca dizendo que este tipo de amadorismo jamais substituirá a produção profissional de notícias.  Com isto, tendo a concordar: a maioria dos blogs interessantes tendem a ser aqueles capazes de fornecer um comentário bacaninha sobre uma matéria prima produzida por outrem _ um reempacotamento tipo Meia Hora (ok, talvez um pouco mais que isso).  Já blogs que saem inteiramente da cachola do seu autor tendem a ser chatos e confessionais; muito poucos são realmente legíveis.

Veredicto final do Nick:

What I’m laying out here isn’t a pretty scenario. It means lots of lost jobs – good ones – and lots of failed businesses. The blood will run in the streets, as the chipmakers say when production capacity gets way ahead of demand in their industry. It may not even be good news in the long run. We’ll likely end up with a handful of mega-journalistic-entities, probably spanning both text and video, and hence fewer choices. This is what happens on the commercial web: power and money consolidate. But we’ll probably also end up with a supply of good reporting and solid news, and we’ll probably pay for it.

Um mundo de Rupert Murdochs.  Será?

***
UPDATE:

O Cássio me alertou para o excelente post que o Pedro Dória escreveu hoje sobre o mesmo tema.

***

UPDATE 2

O Vinhal do Lastronomia também deu suas caneladas!

Leia o resto deste post »

aruminio-flagra

Non pode sê, né?

Deu no Valor de hoje:

Prêmio de risco dos EUA bate recorde

Os prêmios de risco de crédito dos países ricos, que antes da crise financeira internacional ficavam abaixo dos 10 pontos básicos, hoje se aproximam de 100 para o prazo de cinco anos. E a alta mais forte foi recente: seus níveis mais do que dobraram desde o início de dezembro do ano passado, para recordes históricos. No mesmo período, o risco-Brasil não subiu nem 6%. Os spreads de risco de crédito sinalizam a percepção dos mercados sobre a probabilidade de não-pagamento da dívida por um país.
A alta dos prêmios dos países ricos foi tão forte que o risco-Estados Unidos, o risco-Alemanha e o risco-Japão, para citar apenas três países, estão hoje bem acima dos níveis mínimos a que chegou o risco-Brasil, em meados de 2007. O risco-Estados Unidos, que era de 7 pontos em 1º de maio do ano passado, chegou a bater em 94 pontos básicos no dia 17, um aumento de 170% na comparação com os 34,9 pontos do dia 1 de dezembro. Ontem, se manteve elevado, mas caiu para 90 pontos básicos.

E ainda é cedo para saber quem será o destinatário do prêmio “wishful thinking” do ano de 2009, mas Armínio Fraga já é forte candidato:

“”É verdade que temos visto uma piora nos balanços dos governos dos países desenvolvidos, um aumento de grandes proporções na dívida pública e na emissão de moeda para administração da crise”, afirma Armínio Fraga, sócio do Gávea Investimentos e ex-presidente do Banco Central. Mas, segundo seus cálculos, o mercado está projetando uma probabilidade de moratória maior do que 1% ao ano para os EUA, Japão e Alemanha, “o que não parece ser razoável”.

Para ele, o mercado está superestimando a chance de esses países não pagarem suas dívidas .”Essa probabilidade não é tão relevante como sinalizam os números”, diz. Fraga percebeu a puxada e ficou tão surpreso com ela que chegou a citá-la em palestra durante seminário.”

Pacheco, o canalha da repartição, observa que o Gávea deve andar meio chinês, comprado em títulos do Tesouro americano…

1234385828419xd8

(clique para ampliar)

A grande notícia da blogoseira econômica d´além mar é que Greg Mankiw aparentemente passou pro lado dos que acham que é preciso estatizar o sistema bancário norte-americano.  Deu na Yves:

Mankiw thus favors nationalization, or what he calls, following Calculated Risk, “pre-privatization”, as the best fudge we can come up with in lieu of having a regulatory/bankruptcy regime that addresses the peculiar nature of large, possibly systemically important, trading organizations.

Então fica combinado:  vamos pré-privatizar o sistema bancário para evitar que o ruminante ungulado se dirija ao terreno pantanoso.

swiss_button

A mais notável notícia sobre a Suíça, hoje _ abaixo do folder.

Leia o resto deste post »

262733_1_400

Este post do Crooked Timber me fez recapitular minha infância.

Se bem me lembro, o livro didático “A Mágica do Saber”, que era usado pela rede pública do Rio de Janeiro, continha um trechinho do livro “A Reforma Da Natureza“, de Monteiro Lobato, onde Emília, a boneca endiabrada do universo ficcional do Sítio do Pica Pau Amarelo, resolve consertar o que ela acha que está errado no mundo.  E um desses erros reside no fato de que a melancia, uma fruta tão grande, nasce em uma planta rasteirinha, enquanto a jabuticaba, tão pequena, nasce em uma árvore grande…até que uma jabuticaba cai no nariz de alguém e ela percebe que se tivesse sido uma melancia o estrago teria sido considerável.

Pois o post do CT fala de um poema da época vitoriana, da “autoria” de Anne, Duquesa de  Winchelsea sobre um ateu que especulava sobre como as abóboras ficariam melhor se nascessem em castanheiras, até que uma castanha lhe cai sobre o cocoruco.  Obviamente, o argumento por trás da história é o de que a criação é perfeita.  O diabo é que quem avança um argumento desses para provar a existência de Deus certamente nunca viu uma jaqueira.

Nos comentários do post do CT, alguém mostra que La Fontaine já havia feito um poema sobre o mesmo tema, e que o poema de Anne é uma tradução.

Ao ler o post eu até fiquei meio cabreiro com a idéia de que alguma vez Monteiro Lobato tivesse lido alguma coisa de uma duquesa vitoriana, mas depois ficou claro que a inspiração certamente veio de La Fontaine.   Ou não?

***

Mas o interessante mesmo é que lá pelas tantas o Cosma Shalizi me sai com um comentário linkando um trecho da Suma Teológica de Tomás de Aquino onde o Doutor Angélico especula sobre a veracidade da hipótese de que os santos, no Paraíso, rejubilam-se com a visão dos danados no Inferno, e aparentemente conclui que é por aí:

I answer that, A thing may be a matter of rejoicing in two ways. First directly, when one rejoices in a thing as such: and thus the saints will not rejoice in the punishment of the wicked. Secondly, indirectly, by reason namely of something annexed to it: and in this way the saints will rejoice in the punishment of the wicked, by considering therein the order of Divine justice and their own deliverance, which will fill them with joy. And thus the Divine justice and their own deliverance will be the direct cause of the joy of the blessed: while the punishment of the damned will cause it indirectly.”

O que, eu diria, não só é uma forma bastante sofisticada de schadenfreude, como também é a mãe de todas as justificativas para a existência de Guantanamo.

20090217214447752

Por mais transparência em Brasília

Deu no Correio Braziliense:

Brasília comemora o Dia da Roupa de Baixo

Em meio às partidas e chegadas de ônibus na Rodoviária do Plano Piloto os passageiros tiveram uma visita inusitada. 32 modelos desfilaram pela rodoviária vestidos apenas com roupas íntimas. As mulheres de lingerie e os homens de cueca.

O desfile marca o Dia da Roupa de Baixo, uma versão brasileira do Underwear Day novaiorquino. O objetivo do desfile, que está em sua terceira edição, é valorizar a produção nacional de roupas íntimas.

***

Pacheco, o canalha da repartição (*), disparou:

Vai ter deputado fazendo fila procurando novos modelos de cueca!

(*) copyright original Sergio Leo

Reconfortante, porém macabro:

When light strikes your eyes, it takes some hundreds of milliseconds before you become conscious of the event. As a consequence, you are always living in the past. This strange fact of our existence is well known is neuroscience, but there’s an interesting, underappreciated consequence: you may not ever become aware of the thing that kills you.

Cormac McCarthy addresses this point in his post-apocalyptic novel The Road, in a scene in which the main character has his pistol leveled on a miscreant. The malefactor challenges: “you won’t shoot….they [my companions] will hear the shot.”

The protagonist replies, “Yes they will. But you won’t.”

“How do you figure that?”

“Because the bullet travels faster than sound. It will be in your brain before you can hear it. To hear it you will need a frontal lobe and things with names like colliculus and temporal gyrus and you won’t have them anymore. They’ll just be soup.“‘

***

E essa descrição passo a passo de uma colisão automobilística é fantástica:

0 milliseconds – An external object touches the driver’s door.
1 ms – The car’s door pressure sensor detects a pressure wave.
2 ms – An acceleration sensor in the C-pillar behind the rear door also detects a crash event.
2.5 ms – A sensor in the car’s centre detects crash vibrations.
5 ms – Car’s crash computer checks for insignificant crash events, such as a shopping trolley impact or incidental contact. It is still working out the severity of the crash. Door intrusion structure begins to absorb energy.
6.5 ms – Door pressure sensor registers peak pressures.
7 ms – Crash computer confirms a serious crash and calculates its actions.
8 ms – Computer sends a “fire” signal to side airbag. Meanwhile, B-pillar begins to crumple inwards and energy begins to transfer into cross-car load path beneath the occupant.
8.5 ms – Side airbag system fires.
15 ms – Roof begins to absorb part of the impact. Airbag bursts through seat foam and begins to fill.
17 ms – Cross-car load path and structure under rear seat reach maximum load.
Airbag covers occupant’s chest and begins to push the shoulder away from impact zone.
20 ms – Door and B-pillar begin to push on front seat. Airbag begins to push occupant’s chest away from the impact.
27 ms – Impact velocity has halved from 50 km/h to 23.5 km/h. A “pusher block” in the seat moves occupant’s pelvis away from impact zone. Airbag starts controlled deflation.
30 ms – The Falcon has absorbed all crash energy. Airbag remains in place. For a brief moment, occupant experiences maximum force equal to 12 times the force of gravity.
45 ms – Occupant and airbag move together with deforming side structure.
50 ms – Crash computer unlocks car’s doors. Passenger safety cell begins to rebound, pushing doors away from occupant.
70 ms – Airbag continues to deflate. Occupant moves back towards middle of car.
Engineers classify crash as “complete”.

150-300 ms – Occupant becomes aware of collision.” [grifo meu]

***

Esse é o motivo pelo qual sempre achei insatisfatórias e pouco críveis as histórias de ficção pós-singularidade onde existem interações entre o mundo físico e as realidades virtuais.  Consciências que “passem para o silício” serão provavelmente muito mais rápidas do que os processos físicos, inclusive do que as mentes ainda presas em tecido biológico.   Portanto interações entre humanos e pós-humanos (e pensando bem, entre humanos e IA´s) serão incrivelmente aborrecidas para o lado não-humano da interação _ seria como conversar com uma pessoa que vive em slow-motion.

Provavelmente é por isso que eles vão nos odiar e nos exterminar.  :)

O Financial Times publica matéria (traduzida no Valor) sobre sua desconfiança de que Bernie Madoff fez vítimas no Brasil a partir do Banco Safra:

Clientes do Grupo Safra, que inclui um dos maiores bancos do Brasil e que mantém importantes operações de “private banking” nos Estados Unidos e na Europa, despontam como vítimas do escândalo de Bernard Madoff. O “Financial Times” acredita que o Banco Safra de São Paulo comercializou por muitos anos um fundo chamado “Zeus Partners Limited”, um dos muitos fundos “alimentadores” que direcionaram dinheiro à Bernard Madoff Securities, a firma de corretagem de valores de Madoff na cidade de Nova York, proveniente de investidores de todo o mundo.(…)

Um investidor de São Paulo que pediu para não ser identificado disse que normalmente hesitava em comprar fundos, mas que foi abordado por seu representante do Safra com uma tática “muito agressiva de vendas”. “Eles disseram que era um fundo muito bom com um excelente histórico e que o próprio [Joseph] Safra [o chefe do Grupo Safra] colocou uma boa parte do seu dinheiro nele.

O Banco Safra no Brasil não respondeu aos pedidos para comentar sobre o fundo Zeus e seu envolvimento com Madoff. Pessoas familiarizadas com o assunto disseram que o fundo investiu pelo menos US$ 300 milhões em prol dos clientes do Safra.”

Leia o resto deste post »

Eu não tinha me tocado, mas lá no post sobre o Oscar anaeróbico o Ratapulgo chamou a atenção para o fato de que lá na matéria sobre os 25 melhores filmes conservadores, eles colocam mais alguns além dos 25 na listagem lá embaixo.

E eu vi que eles se atreveram a arrolar  “O Show de Truman” como um filme conservador…

IS NOTHING SACRED?????????????????????

***

Sério, não sei como “Hair” não foi parar na lista.  Afinal trata-se da bela história de um rapaz que em nome da amizade vai enfrentar o perigo vietcongue e livrar a América do comunismo, ué.

E ainda tem homens de uniforme!  Very conservative.

bank-circles

Cai cai, balão (clique para ampliar)

Variação na capitalização de mercado de alguns dos principais bancos.  Via Ritholtz.

17lede_yoda_icon1

Porque a estrela da morte está a caminho:

We are facing a Depression that will last 23-26 years. The response of government is going to seal our fate because they cannot learn from the past and will make the same mistakes that every politician has made before them.”

O Talk chamou a atenção, em comentário abaixo, para a colisão dos dois submarinos nucleares _ um francês e um britânico.  E linkou esta matéria.

A coisa é muito estranha, devido ao fato de serem dois submarinos da OTAN.  Talvez a coisa se explique porque, apesar da França ter voltado aos braços da organização em 1995, decidiu que sua força nuclear seria mantida independente _ talvez isso signifique que a OTAN não tem os dados sobre patrulhas de submarinos franceses, portanto.

No noticiário matutino a Globo disse que a justificativa dada pelos militares é que havia uma tempestade no momento da colisão.  Eu digo que se submarinos nucleares modernos dependessem das condições do tempo para operar a contento, uma guerra nuclear já teria sido travada e ganha por alguém há muito tempo.

93

Hitler popstar

Fotos nazistas coloridas (do arquivo da Time-Life?).

Mais aqui.

(usando o Google Translate, me pareceu que há uma dúvida sobre se as fotos são de fato coloridas ou foram photoshopadas.  Se alguém souber russo, deslinde o causo, please!)

Tio Rei em post de ontem:

Como explicar que o Bolsa Família tenha se expandido num período de crescimento da economia?

Será que é porque, er, digamos, a economia não cresce toda por igual e aí o governo redistribui parte da riqueza gerada pelo crescimento para evitar que o resto morra de fome enquanto o crescimento não vem?  Hein?  Hein? Reinaldo Azevedo dá um novo sentido ao termo “ANTAgonista”.

***

Reinaldão também aproveita para dar uma canelada em Chávez em outro post:

Um dia o bandoleiro Hugo Chávez ainda se encontrará com o seu destino: nas mãos do povo, que tanto celebrou, talvez seja pendurado pelos pés em praça pública, como um Benito Mussolini ou um Ceaucescu da América Latina. Mas os venezuelanos vão penar bastante até lá. O “Sim” venceu o referendo, e ele ganhou o direito à reeleição ilimitada. Na Venezuela, o voto não é obrigatório. Dos 16,7 milhões de eleitores, pouco mais de 6 milhões garantiram o resultado — contra pouco mais de 5 milhões, que disseram “não”. A abstenção foi de 33%. Houve de tudo: intimidação de bandos armados, truculência, prisões, uso descarado da máquina oficial, e o coronel logrou agora o sucesso que não obteve em dezembro de 2007. Em discurso, sustentou que todos os que disseram “sim” escolheram o “socialismo e a revolução”. Pois é… Mais de 10 milhões, como se vê, ou não escolheram nada ou disseram “não” a esse binômio encantador. Mas e daí?

OK, eu também não tenho a menor simpatia por Chávez ou pela idéia da reeleição perpétua.  Mas o gozado é que por esta matemática a vitória de Bush sobre Al Gore em 2000 também teria sido um golpe.  Afinal, Bush teve menos de 50% dos votos, e 50 milhões de eleitores não votaram também praticamente um terço do eleitorado norte-americano em 2000.

Os  25 melhores filmes conservadores. Exemplo:

Ghostbusters (1984): This comedy might not get Russell Kirk’s endorsement as a worthy treatment of the supernatural, but you have to like a movie in which the bad guy (William Atherton at his loathsome best) is a regulation-happy buffoon from the EPA, and the solution to a public menace comes from the private sector. This last fact is the other reason to love Ghostbusters: When Dr. Peter Venkman (Bill Murray) gets kicked out of the university lab and ponders pursuing entrepreneurial opportunities, a nervous Dr. Raymond Stantz (Dan Aykroyd) replies: “I don’t know about that. I’ve worked in the private sector. They expect results!

E’, a coisa esta’ mesmo feia.

(hat tip: CT) [excelentes comentarios] [vide isto]

dollarbill04

Agora esta’ explicado

Short Krugman:

By now everyone knows the sad tale of Bernard Madoff’s duped investors. They looked at their statements and thought they were rich. But then, one day, they discovered to their horror that their supposed wealth was a figment of someone else’s imagination.

Unfortunately, that’s a pretty good metaphor for what happened to America as a whole in the first decade of the 21st century.”

Na Wired, um novo significado para “second life”:

Eles podem não ser verdes ou produzir frases de efeito, mas poderia haver formas alienígenas de vida aqui na Terra. 

Se a vida surgiu não apenas uma vez, mas várias vezes sobre a Terra, formas de vida que ignoramos poderiam estar aqui no nosso próprio planeta, talvez utilizando processos químicos diferentes daqueles que conhecemos. E porque os cientistas têm estudado apenas uma pequena fatia do mundo dos micróbios em alta profundidade, os restos microscópicos de uma segunda (ou terceira ou quarta) biogênese  poderiam estar escondidos direto sob nossos narizes. 
“Se a vida surgiu muitas vezes, pode existir, ou ter existido, algo como uma  biosfera sombra a rodear-nos”, disse Paul Davies,  astrobiólogo da Arizona State University,  na reunião dominical da Associação Americana para o Avanço das Ciências. “É perfeitamente possível que algumas formas de vida microbiana poderiam revelar-se alienígenas se comparadas à vida como nós preferimos chamá-la
.”

Aqui (em inglês).

Deu no Financial Times.  Ao que eu saiba é a primeira vez que uma empresa petrolífera fala disso nesse tom:

Total diz que pico de produção de petróleo está próximo

O mundo nunca mais será capaz de produzir mais de 89m barris de petróleo por dia, advertiu o chefe  do terceiro maior grupo energético da Europa, citando altos custos em áreas como o Canadá e restrições políticas em países como o Irão eo Iraque. 

Christophe de Margerie, chefe executivo da Total, a companhia francesa de petróleo e gás, afirmou que tinha revisto para baixo a sua previsão da produção de petróleo para 2015  em pelo menos 4m barris por dia devido à atual crise econômica e da queda dos preços do petróleo.”

Abaixo do folder, íntegra (em inglês).

Leia o resto deste post »

Add to Technorati Favorites

Blog Stats

  • 1,508,286 hits
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 27 outros seguidores