Ô Chicó, você tem 30 dias pra parar de ver esse filme, rapá!

No mesmo lúbrico post do Sergio Leo referido abaixo, fiquei sabendo da história do manifesto antipornográfico do Pedro Cardoso.  Transcrevo parte de matéria da Ilustrada da Folha a respeito:

No elenco de “Todo Mundo Tem Problemas Sexuais”, de Domingos de Oliveira, o ator Pedro Cardoso aproveitou a primeira sessão do filme, anteontem, no Festival do Rio, para fazer um discurso antinudez no cinema e na TV.

Ator Pedro Cardoso não gostou da cena de nudez feita por sua namorada e fez manifesto
A pedido de Cardoso, o filme não contém cenas de nudez, embora tenha o sexo como tema. “Minha tese: a nudez impede a comédia e o próprio ato de representar. Quando estou nu, sou sempre eu a estar nu, e nunca o personagem.”

O ator disse que, nas mãos das “empresas que exploram a comunicação em massa”, a nudez, que fora “uma conquista contra excessos da repressão à vida sexual”, tornou-se “apenas um modo de atrair público”.

Apontou “conivência de escritores e diretores –alguns deles, em algum momento, verdadeiros artistas; outros, nunca!”.

Cardoso disse que “é sobre as atrizes que a opressão da pornografia é exercida com maior violência”. E afirmou que “é freqüente que cineastas de primeiro filme exibam a amigos, em sessões privê, cenas ousadas que conseguiram arrancar de determinada atriz” e indagou: “Até quando, nós, atores, atenderemos ao voyeurismo e a disfunção sexual de diretores e roteiristas, que nos impingem essas cenas macabras?”.

Mas a verdadeira explicação para a invectiva está nesta matéria do Cinemacafri:

Segundo o jornal Folha de São Paulo, o desabafo de Cardoso tinha como alvo principal Selton Mello, cuja estréia na direção, “Feliz Natal”, também foi exibida na Festival. De acordo com o jornal, Pedro Cardoso se irritou com a cena de nudez de sua namorada, a atriz Graziella Moretto, no filme de Mello. Depois de rodar as cenas, Selton teria reunido alguns amigos em sua casa para assistir a sessões prévias do filme. Em seu desabafo, Cardoso havia dito que “é frequente que cineastas de primeiro filme exibam para seus amigos em sessão privê as cenas privadas que conseguiu de uma determinada atriz”.

Na mesma oportunidade do discurso de Pedro Cardoso, porém, a atriz Cláudia Abreu entrou na dança:

A atriz Cláudia Abreu, que integra o elenco de “Todo Mundo Tem Problemas Sexuais”, endossou o manifesto antinudez do colega Pedro Cardoso.

Após o discurso do ator, no Cine Odeon, ela foi ao microfone e disse: “Queria dizer que sou atriz e endosso tudo o que ele falou. Passei por uma situação recentemente. Ele está completamente certo”.

Abreu é uma das protagonistas da atual novela das sete da Globo, “Três Irmãs”, e está em cartaz nos cinemas com “Os Desafinados”, de Walter Lima Jr., em que faz uma cena de nudez e outra de sexo com o personagem de Rodrigo Santoro.

Folha perguntou se a declaração era referência ao filme de Lima Jr., mas a atriz disse tratar-se de menção a “experiências recentes”, sem especificar quais.

“Acho desproposital ela se colocar como vítima, até porque ela não foi surpreendida por isso. Ela leu o roteiro e estabeleceu limites, que foram obedecidos”, disse Lima Jr.

***

Bom.

A meu ver, vivemos em um regime de liberdade onde ninguém é obrigado a nada.  Atores e atrizes não são obrigados a trabalharem em filmes com cenas de nu.  Se isso fosse um abuso per se, Almodóvar teria tido sua carreira encerrada há muito tempo.

A outra acusação é mais grave: se Selton Mello realmente ficava passando cenas com material adicional, que não foi utilizado na edição final, em sessões privê em sua casa, isso é voyerismo e baixaria, e possivelmente daria um processo na Justiça.  Selton soltou uma nota sobre o caso no site do seu filme, mas desconversou sobre essa acusação em particular.

[uma outra versão é de que as cenas de nudez foram gravadas mas não foram incorporadas ao filme na edição final; estas cenas é que Selton estaria passando em sessões privê em sua casa _ coisa que aparentemente, pela mesma matéria, Selton admitiu mas disse ser natural, já que as sessões são de trabalho]

O que sobra da história é que provavelmente Pedro Cardoso ficou muito irritado com a história (seja ela real ou não) e quis dar uma resposta.  O problema é que ele respondeu a uma questão diferente, que ninguém havia perguntado.  Diante do fato real, ele poderia ter escolhido várias outras alternativas, como: a) processar Selton Mello ou b) quebrar a cara de Selton Mello (minha opção preferida).

Do jeito que a coisa ficou _ fazendo um manifesto idiota, tangenciando o verdadeiro problema, ainda mais na sessão premiére de um filme intitulado “Todo mundo tem problemas sexuais” _ parece mais que Pedro Cardoso acabou vestindo a pele do Agostinho, da Grande Família…

About these ads